Home / Notícias / Geral / Após quase 20 anos de serviços, morre Cabeça, o mascote da PM de Araucária

Após quase 20 anos de serviços, morre Cabeça, o mascote da PM de Araucária

 

Após quase vinte anos de excelentes serviços prestados à Polícia Militar de Araucária, Cabeça, o mascote dos policiais que prestaram serviço na 2ª Companhia descansou.

Cabeça pareceu ter esperado a virada do ano, para que também pudesse dizer que venceu o conturbado 2018. Fechou seus olhos em definitivo na manhã desta terça-feira, 1º de janeiro de 2019.

Os policiais com mais tempo de casa em Araucária ainda se recordam quando Cabeça chegou à sede da 2ª Companhia, ainda quando esta estava instalada num imóvel às margens da Rodovia do Xisto, próximo a Radio Iguassu. “Ele apareceu lá na antiga sede da PM ainda. Com ele, estava uma cachorra, muito parecida com ele, devia ser irmã. Demos o nome de Agatha pra ela”, conta um dos policiais.

Cabeça e Agatha foram meio que incorporados à companhia. Algum tempo depois, porém, quando era levada ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) para um tratamento médico, Agatha fugiu e nunca mais voltou. Com isso, coube a Cabeça a tarefa de zelar – sozinho – pelos policiais em serviço na cidade.

E o cão cumpriu com méritos a tarefa. Adotou a sede da PM como sua casa e desenvolveu ali um comportamento territorialista. Era sempre o primeiro a notar qualquer tipo de movimentação estranha, principalmente quando à noite caia, alertando os policiais em serviço com seu latido firme e rouco. A escala dele era de sete dias por semana, 24 horas por dia. Só descansava quando o movimento na companhia estava mais calmo. Do contrário, estava lá, sempre vigilante.

Nesses quase vinte anos de serviço prestado, Cabeça acumulou histórias de parceria com os policiais locais. Numa delas, um PM se recorda que – quando houve a explosão de um caixa eletrônico no interior da Prefeitura, apesar da rapidez com que as viaturas se dirigiram ao local, quem primeiro lá chegou foi o cão, com seu porte robusto, olhos cor caramelos atentos, meio que isolando o perímetro e garantindo aos amigos de farda cáqui que o local estava seguro.

Como última homenagem, Cabeça foi sepultado nos próprios arredores da atual sede da PM de modo que, para aqueles que acreditam – claro, continue zelando pelos policiais militares de Araucária.

 

Sobre Waldiclei Barboza

Waldiclei Barboza
Waldiclei Barboza é jornalista da editoria de Política de O Popular do Paraná desde 2005. Sempre às quintas-feiras, publica neste espaço e na edição impressa de O Popular uma Coluna sobre o dia a dia da política local.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*