Home / Notícias / Geral / Imagem de policial ajudando cadeirante em frente ao Banco do Brasil “viraliza” em Araucária. Entenda porque a ajuda foi necessária

Imagem de policial ajudando cadeirante em frente ao Banco do Brasil “viraliza” em Araucária. Entenda porque a ajuda foi necessária

Uma postagem feita no Facebook por um internauta araucariense viralizou em Araucária ao longo dos últimos dias. A imagem, bem como a postagem foi feita na última sexta-feira, 21 de dezembro, e mostra um policial militar ajudando um cadeirante a embarcar em seu carro, que estava estacionado em frente ao Banco do Brasil, na esquina da rua Paulo Alves Pinto com a avenida Victor do Amaral.


Na postagem, o internauta Cleber Cardoso ainda fez o seguinte comentário junto com a imagem: “hoje à tarde, próximo Às 16h10, em frente ao Banco do Brasil de Araucária, registrei um momento muito bonito. Um policial militar estava com sua viatura sobre a calçada acompanhando movimento de pedestres próximo ao banco quando viu um cadeirante com um pouco de dificuldade para acessar seu carro, então ele atravessou a rua e não poupou esforços para ajudar”. Em seguida, Cleber ainda destaca a atitude do PM: “Meus parabéns a esse policial”.

Tamanha foi a repercussão da postagem que nossa reportagem foi atrás do personagem principal dessa história para tentar entender as circunstâncias do registro da imagem. Após algumas ligações descobrimos que o policial em questão é o Soldado Pedroso, lotado na 2ª Cia da PM, aqui em Araucária.

Em contato com o soldado, ele nos explicou que, embora a imagem registre um momento bacana, ela foi precedida de uma infração ao Código de Trânsito Brasileiro (CTB). “Por conta da Operação Natal, estávamos ali naquela região em patrulhamento quando, após algum tempo, notei que o cadeirante simplesmente não conseguia entrar em seu veículo porque outro motorista não havia respeitado o espaço da vaga especialmente destinada ao portador de necessidades especiais”, explicou.

Ainda conforme Pedroso, as vagas destinadas a motoristas cadeirantes são maiores justamente porque, ao estacionar, ele precisa abrir totalmente a porta do carro, colocar sua cadeira para o lado de fora, travá-la e só então subir nela e ir fazer suas coisas. No caso específico, o motorista cadeirante parou o carro, conseguir fazer isso e foi até o banco. Porém, enquanto estava dentro da agência, outro motorista estacionou ao lado e não respeitou a faixa amarela que delimitava a vaga especial.

Com isso, quando o cadeirante voltou, ele simplesmente não conseguia entrar no carro. “Segundo o motorista, que por acaso eu já conhecia da faculdade, ele já estava esperando ali há quase meia hora, sob o sol forte, sem que o dono do carro que estacionou irregularmente voltasse”, pontuou. Pedroso acrescentou ainda que, diante da situação, deu a ré no carro do cadeirante até que o veículo do lado não fosse mais um empecilho para que ele pudesse entrar no automóvel.

O policial explicou também que o veículo que havia estacionado dentro da vaga do cadeirante foi autuado. A infração é considerada gravíssima e rende sete pontos na CNH, além de multa de quase R$ 300.

Postagem feita por Cleber na semana passada

 

Imagem feita pelo policial mostrando como o carro branco estacionou

Sobre Redação

Redação

2 comments

  1. Pensei que era pelas péssimas condicoes das calçadas no município e ainda quando estão Boas logo logo o morador faz alguma coisa por ex segunda entrada ou um degrau. E pasmem o urbanismo não faz nada nem denunciando

    • Os funcionarios da prefeitura sao os piores.Eé rapidinho(em vagas).Por isso que desisti de andar nas calcadas de araucaria nao adianta.Sabeo que tem que fazer?Pegar esses que se acham doutores porque estao em cargos e pedir para eles andarem numa cadeira de roda o municipio inteiro dai vao ver o que precisa,mas andar de cadeira sozinho,sem ninguem empurrar.Mas eles nao sao machos para isso,sao frochos e sem compaixao nenhuma pelos outros e nao vestem a camisa da sua secretaria apenas passar o tempo e ganhar umzinho

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*