Home / Notícias / Geral / Povão questiona o porquê da água da Sanepar estar com gosto de barro

Povão questiona o porquê da água da Sanepar estar com gosto de barro


Foto: Everson Santos

 

Nos últimos dias, vários moradores de Araucária fizeram postagens nas redes sociais reclamando que a água fornecida pela Sanepar está com um gosto horrível de barro. As reclamações vieram de diversos bairros da cidade. Nos posts, alguns chegaram a comentar que estão tendo que ferver a água antes de beber, por medo que a mesma possa trazer problemas à saúde. Outros afirmam que estão apelando para a água mineral, por desconhecerem o problema.

Procurada para falar sobre o problema, a Sanepar explicou que o gosto e o cheiro sentidos por moradores de Araucária na água distribuída pela empresa nos últimos dias não oferecem qualquer risco à saúde humana e animal. Análises realizadas pela Companhia mostraram que a alteração nas características da água foi provocada por questão climática. O surgimento de gosto na água tratada decorre de uma série de fatores, como a alta temperatura registrada neste verão, que levou a um aumento na temperatura da água armazenada no reservatório de água bruta do Passaúna.

Ainda de acordo com a empresa, com a queda brusca de temperatura ocorrida na semana passada, houve inversão térmica da água da represa, o que alterou o ciclo natural das microalgas, que naturalmente estão presentes em barragens. Estes organismos conferem gosto à água. Apesar de não apresentar toxicidade, o gosto é percebido pelas pessoas. Essa percepção pode variar de pessoa para pessoa. “O problema já está equacionado, mas é possível que alguns moradores ainda sintam as alterações por conta da água armazenada nos reservatórios domiciliares e locais mais distantes, onde a troca da água na tubulação ocorre de maneira mais gradual. Ressaltamos que a água distribuída é absolutamente segura e não representa nenhum risco à saúde”, argumentou a empresa.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1151 – 21/02/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*