Home / Notícias / Policial / Apesar da primeira linha de investigação apontar para suicídio, polícia trabalha com outras suspeitas na morte de Eduardo

Apesar da primeira linha de investigação apontar para suicídio, polícia trabalha com outras suspeitas na morte de Eduardo

Polícia está investigando hipótese de homicídio. Foto: divulgação


 

Em 24 de fevereiro, o corpo de Eduardo Henrique dos Santos, 21 anos, foi encontrado na represa do Passaúna, no bairro Capela Velha, por pessoas que estavam no local. O cadáver estava com roupas e enroscado em uma pequena ilha.

O Corpo de Bombeiros, Ins­tituto Médico Legal (IML) e demais órgãos competentes foram para o recolhimento do corpo. Logo, a Delegacia de Polícia Civil de Araucária instaurou inquérito para investigar o caso e suspeitas de suicídio vieram à tona.

Isto porque Eduardo sofreria de transtornos depressivos, teria feito algumas pesquisas na internet sobre como chegar à represa e, ainda, ele teria enviado uma mensagem de celular em tom de despedida.

O laudo do IML com a causa da morte, se por afogamento ou não, ainda não chegou. Mas, a polícia está investigando a situação e, apesar de apurar a hipótese de suicídio, não descarta a suspeita de homicídio.

De acordo com depoimentos de familiares, ultimamente Eduardo estaria tomando calmantes para conseguir dormir. “Segundo a família dele, este era o único medicamento que ele estava tomando. Então, não podemos contar que ele estava realmente sofrendo de depressão, quadro que poderia levar ao suicídio”, informou a equipe de investigação da Delegacia de Polícia Civil de Araucária. Fora essa informação que possa levar à linha de suicídio, somente a mensagem que Eduardo teria enviado despedindo-se de um amigo indicaria a mesma hipótese.

“Entretanto, precisamos trabalhar com a suspeita de homicídio, mesmo porque familiares receberam mensagem de ‘Ligue Agora’ do celular dele, teoricamente após sua morte. Há a possibilidade de alguém ter enviado essa mensagem de despedida como se fosse ele para forjar sua morte”, apontou.

Os investigadores estão aguardando agora o laudo do IML que indicará se houve violência contra Eduardo e o tempo de morte, que poderá ser confrontado com a mensagem recebida.

Publicado na edição 1154 – 14/03/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*