Crimes de homicídio continuam sem desfecho | O Popular do Paraná
Home / Notícias / Policial / Crimes de homicídio continuam sem desfecho

Crimes de homicídio continuam sem desfecho

O local onde o corpo de Nathália foi encontrado

 

Homicídios que aconteceram nas duas últimas semanas em Araucária, apesar de estarem sendo investigados pela Polícia Civil, ainda continuam sem solução.

No caso do assassinato de Fábio Almeida Maçaneiro, que foi encontrado morto com disparo de arma de fogo dentro de um veículo no bairro Capela Velha, na tarde de 26 de outubro, familiares estão sendo ouvidos pela equipe de investigação da delegacia. Contudo, o crime ainda não teve desfecho.

A mãe da vítima, que estava no banco de trás do carro com a neta, no momento em que Fábio foi atingido, comentou que não viu nada do que aconteceu. “Ela contou que estava dando comida à neta e que quando ouviu o disparo, já olhou para o filho caído sobre o banco do passageiro e, com o susto da situação, não conseguiu observar nada em volta”, informou a DP.

Ainda, segundo a mãe, o filho havia sido liberado da prisão há dois dias e estava trabalhando em sua serralheria. Ele cumpria pena após ter sido condenado em júri popular pela morte da ex-esposa Jéssica de Oliveira da Silva, em maio de 2016.

Fábio saiu da cadeia devido à progressão de regime, visto que quando foi condenado já estava cumprindo pena em regime fechado. Quando ele morreu estava com tornozeleira eletrônica, e, conforme sua mãe afirmou, durante os dois dias em que esteve solto não se ausentou do trabalho e de casa.

No dia seguinte após o assassinato de Fábio, um corpo foi encontrado na rua Rio Grande do Sul, nos fundos da estação de tratamento de esgoto da Sanepar no Loteamento Torres, no bairro Iguaçu. O cadáver estava boiando na água, ainda que parcialmente submerso enroscado em galhos.

Foi constatado que o corpo era de um homem e já estava em estado decomposição. Havia um ferimento na nuca, provavelmente ocasionado por arma de fogo. Ele foi recolhido e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), em Curitiba, e ainda permanece no local, visto que não foi identificado. A polícia também não tem nenhuma informação nova sobre o caso.

Já no dia 29 de outubro, Nathália Fernandes de Silvio foi encontrada morta em um matagal no bairro Costeira, na avenida Manoel Ribas. Havia sinais de enforcamento, além de ferimentos por arma de fogo, sem contar que o corpo estava parcialmente queimado e já em estado inicial de decomposição.

A DP informou que deve ouvir os familiares de Nathália na próxima semana, dando sequência às investigações.

Foto: Marco Charneski

Sobre Redação

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado. Os campos requiridos são marcados com *

*