Home / Notícias / Policial / Homem baleado na cabeça no Sta. Eulália morreu no dia seguinte

Homem baleado na cabeça no Sta. Eulália morreu no dia seguinte

Walter foi socorrido o encaminhado ao hospital em Campo Largo, mas não resistiu e morreu no dia seguinte


 

Na sexta-feira, 9 de março, na rua das Camélias, próximo ao bosque do jardim Santa Eulália, bairro Campina da Barra, Walter Fernandes da Silva foi baleado na cabeça por vários disparos de arma de fogo.

Quando a Polícia Militar chegou ao local, uma equipe da Guarda Municipal já estava com a vítima aguardando a viatura do Siate. No entanto, Walter foi encaminhado ao hospital em Campo Largo e morreu no dia seguinte.

Ainda na data do crime, enquanto os guardas estavam com a vítima, policiais começaram a empreender algumas diligências, onde visualizaram Leandro Figura, monitorado por tornozeleira eletrônica, com um adolescente de 16 anos. Eles foram abordados e com Leandro foi encontrada uma munição de calibre 38 intacta, além de pouca quantidade de substância análoga a maconha. Com o menor, nada de ilícito foi encontrado, mas ele afirmou que estava no bosque junto com Leandro quando o crime aconteceu.

Os dois foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil para prestar esclarecimentos, juntamente a outras testemunhas que estavam no local no momento dos disparos. Na DP, uma das testemunhas disse que viu outro homem atirando contra Walter, mas que Leandro e o menor estariam junto com o atirador e um segundo elemento.

Leandro e o adolescente alegaram não ter nenhum envolvimento com o assassinato, que não conheciam a vítima e nem sabiam porque estavam na delegacia, pois estavam passando pelo local na hora em que tudo aconteceu.

Ainda, segundo informações, quem teria atirado contra a vítima foi um homem conhecido pelo apelido de “Japa” e que logo após os disparos, todos saíram correndo em direção ao local onde Leandro e o menor foram abordados.

Outras informações apontam para uma conversa no Whatsapp no celular de Walter, em que ele teria enviado um áudio instantes antes do ocorrido, relatando quem queria matá-lo, o motivo e que esta pessoa estaria em posse de arma de fogo.

O aparelho celular foi apreendido e entregue na DP. O inquérito para investigação dos fatos já foi instaurado.

 

 

Publicado na edição 1104 – 15/03/2018

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*