PMA e sindicatos não avançam em reunião sobre reajuste | O Popular do Paraná
Home / Notícias / Política / PMA e sindicatos não avançam em reunião sobre reajuste

PMA e sindicatos não avançam em reunião sobre reajuste

Representantes dos sindicatos que representam o funcionalismo municipal, Sifar e Sismmar, e do Município se reuniram na última segunda-feira, 4 de junho, para discutir, entre outras coisas, a data-base da categoria, que normalmente se dá no mês de junho.

O encontro aconteceu no salão nobre da Prefeitura e terminou sem que nada de concreto fosse acertado. Com isso, uma nova reunião foi marcada para a próxima quarta-feira (13), oportunidade em que a administração deve se posicionar sobre a possibilidade ou não de concessão de algum reajuste ao funcionalismo municipal.

Na conversa desta semana, os sindicatos pleitearam, entre outras coisas, a reposição da inflação acumulada no último ano. Os representantes da administração, no entanto, dizem que os cofres municipais não suportariam sequer este acréscimo.

Outra discussão é com relação ao índice de correção que deve ser considerado para o cálculo da inflação acumulada. Os sindicatos entendem que o correto é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Já a Prefeitura entende que o índice oficial do Município é o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Para os que pensam que essa discussão não importa, saibam que a inflação apurada pelo IPCA nos últimos dozes meses alcança 2,76%. Já o INPC está em 1,69%. Para se ter uma ideia, a diferença entre um e outro representa um impacto nas contas do Município de R$ 2,3 milhões anualmente. Se o considerado for o IPCA, a reposição custaria à Prefeitura R$ 6 milhões por ano. Se for o INPC o custo é de R$ 3,7 milhões.

Estado de greve

Sem que as discussões avançassem, os sindicatos realizaram uma assembleia conjunta na terça-feira (5), oportunidade em que decidiram – de antemão – recusar uma proposta de reajuste zero que eventualmente venha a ser feita pelo Município. Na mesma plenária, Sifar e Sismmar também aprovaram a entrada no chamado estado de greve, pelo menos até a próxima reunião com o Executivo.

 

 

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1116 – 07/06/2018

Sobre Redação

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado. Os campos requiridos são marcados com *

*