Home / Notícias / Política / Vereadores eleitos fizeram campanha minguada financeiramente

Vereadores eleitos fizeram campanha minguada financeiramente


Embora no período eleitoral o que não falte são histórias acerca das cifras faraônicas que estão sendo gastas pelos candidatos na tentativa de se eleger, fechadas às urnas e apresentadas à Justiça Eleitoral a prestação de contas de campanha, o que se vê são eleitos muito comedidos em suas despesas.

Neste pleito de 2016, por exemplo, o eleito que mais gastou para poder se eleger foi Amanda Nassar (PMN), que segundo prestação de contas entregue à Justiça Eleitoral, teve despesas de R$ 55.056,50. Apenas alguns centavos abaixo dela aparece Wilson Roberto David Mota (PSD), com R$ 55 mil redondos. Na outra ponta da tabela está o vereador eleito pelo PPS, Leandro da Academia, que declarou ter gasto R$ 1.440,00 para se eleger.

Com base nos números apresentados pelos candidatos à Justiça Eleitoral, nossa reportagem fez uma conta simples para saber o custo de cada voto obtido pelos eleitos, que é resultado da divisão do valor despendido pelos vitoriosos pelo número de votos obtidos. Por esta conta, temos que o voto mais caro deste pleito foi o conquistado por Amanda (R$ 26,88). Já o voto mais barato foi o de Leandro (R$ 1,21). Na tabela ao lado é possível ver o custo do voto de todos os eleitos.

A prestação de contas feita pelos candidatos também mostra pra onde foi o dinheiro gasto pelos eleitos. A maior despesa de Amanda, por exemplo, foi com combustível. Foram R$ 10 mil gastos no Auto Posto Fialla e ou­tros R$ 1.745,00 no Posto Cristal. Já a maior despesa de Leandro, que está na outra ponta da tabela dos gastos, também foi com combustível: R$ 837,60 de gasolina comprada no Posto Cristal.

Se você ficou curioso em saber quais foram às despesas de seu candidato nestas eleições, basta acessar o site do TSE (www.tse.jus.br). Lá, estão disponíveis dados dos doadores de campanha, notas fiscais das despesas, extratos bancários, entre outros.

Maioria dos eleitos não nasceu em Araucária

Dos onze vereadores eleitos no último dia 2 de outubro, seis não nasceram em Araucária. Os dados constam no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A informação, obviamente, não chega a surpreender, já que nossa cidade recebeu mesmo milhares de moradores de outros municípios ao longo de sua história, principalmente em razão do processo de industrialização que sofremos com a instalação da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) na década de 1970.

Ainda conforme as estatísticas informadas pelo TSE, dos onze vereadores eleitos, sete declararam ter o ensino superior completo, três apenas o ensino fundamental e um o ensino médio. Já com relação à raça, nove disseram ser branco contra dois que se intitularam pardos.
08-politica-cor-copy
Texto: Waldiclei Barboza

Sobre Redação

Redação

One comment

  1. O preço do voto.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*