Home / Colunas / Coluna do IMA / Afinal, o que causa a Incontinência Urinária?

Afinal, o que causa a Incontinência Urinária?


A incontinência urinária é qualquer perda involuntária da urina. A pessoa pode ter a incontinência de urgência, a incontinência de esforço ou ainda, a incontinência mista onde estão presentes a incontinência urinária por esforço e de urgência.

A incontinência urinária de urgência é aquela em que a vontade em urinar surge de repente e a pessoa precisa ir ao banheiro imediatamente pois sente que perderá urina na roupa caso não encontre um banheiro. Isto ocorre devido ao mau funcionamento entre a comunicação do músculo detrusor (responsável pela contração e relaxamento da bexiga) e o sistema nervoso central.

Enquanto que, a incontinência urinária por esforço é aquela onde a pessoa tem perda de urina ao tossir, espirrar, rir, pular, correr ou fazer movimentos bruscos. Isto ocorre devido a fraqueza dos músculos do “assoalho pélvico”. O assoalho pélvico é formado por um conjunto de músculos, fáscias e ligamentos como se fosse uma “cestinha” presente na parte inferior da pelve e responsável por manter os órgãos internos no lugar adequado. Quando esta estrutura está fraca ela cede e a bexiga fica relaxada sem sustentação adequada. Diversos fatores favorecem o enfraquecimento do assoalho pélvico. Entre eles estão: gestação, parto, obesidade, tumores, doenças que comprimem a bexiga, menopausa, exercícios físicos de auto impacto e pós prostatectomia radical.

Infelizmente, muitas vezes a incontinência urinária é negligenciada pelas pessoas, pois elas sentem-se constrangidas por medo do odor, de parecer descuidados com a higiene e então, muitas delas modificam comportamentos diários e evitam o convívio social, já os homens evitam procurar ajuda por receio de ser considerados como impotentes. Esta é uma forma equivocada de pensar, porque a incontinência urinária tem tratamento, o que não pode acontecer é aceitar os fatos como algo normal do envelhecimento, porque não é normal. A incontinência urinária pode afetar crianças, adultos e idosos. Logo, perder urina não é normal em nenhuma fase da vida.

As opções de tratamento envolvem, primeiramente, o tratamento conservador, ou seja, tratamento com fisioterapia especializada, tratamento medicamentoso e, quando necessário, o tratamento cirúrgico.

No caso das crianças a incontinência pode ser contínua ou intermitente, diurna ou noturna, os sintomas podem perdurar após a infância caso não sejam tratados. Os exames de urofluxometria e a ultrassonografia (US) são exames não invasivos e fornecem informações relevantes.

Um fator importante é a prevenção! Manter o peso adequado, praticar atividade física de fortalecimento durante a vida e evitar aumentar o peso além do normal durante a gestação.

Ao menor sinal de incontinência urinária não deixe de procurar ajuda de um médico!

ALMEIDA, P.P.; MACHADO, L.R.G. A prevalência de incontinência urinária em mulheres praticantes de jump. Fisioterapia em Movimento, v. 25, n. 1, p.55-65. 2012.
CARNEIRO, J.A.; ET. AL. Caderno de Saúde Coletiva, v. 25, n. 3, p. 268-277. 2017.
LEBL, A.; FAGUNDES, S.S.; KOCH, V.H.K. Clinical course of a cohort of children with non-neurogenic daytime urinary incontinence symptoms fellowed at a tertiary center. Jornal de Pediatria, v. 92, n. 2, p. 129-135. 2016.
NASSIF, A.E.; DIAS, A.; BERTO, J. EXISTE UM TRATAMENTO CIRURGICO IDEAL PARA INCONTINENCIA URINÁRIA FEMININA?. Revista Uningá Review, v. 15, n. 1, p. 18-22. 2013.
TIENZA, A.; ET. AL. Evaluación y prevalência de incontinência urinaria tras prostatectomia radical: análisis de uma serie. Archivos Españoles de urologia, v. 68, n. 9, p. 692-700. 2015.

 

Publicado na edição 1107 – 05/04/2018

 

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*