A casa das sobrinhas | O Popular do Paraná
Home / Colunas / Isidorio Duppa / A casa das sobrinhas

A casa das sobrinhas

Os ano passon e a génte só percebendo quando vê tamanhon das criança crecida, é só ficando uns méis sem encontrar com os parénte e zoiár que os fio dos ótro crescei que ném pipino e o difíce inté de si alembrár quém é que iéles son. Nas saída de missa é só iéstes jóve mi chamando pélo nome, iéu puxando da memória pra se alembrar de quém iéles som fio que inté fumaça dos miolo saiéndo. Ton tudo mudado, uns rapagon, umas moçóna, iéu non tém mínima idéia de ónde aparecéron. Na missa do domingo passado uma mocinha véio coréndo pro méu lado, me déu um abrasson, ficô ali grudada no méu pescoço, déu bejon no rósto e falô: “Oi Tio Zidinho”. Iéu puxô das lembrança, tentô de tudo jéito reconhecér moça, zoiava prum lado, pra ótro, pra vér si tinha um dos irmon por pérto e discubrir quém sendo a moça, inté que iéla viu qui iéu tava séi jéito dizéu que iéra Roseli, fia do méu Irmon Iantuz. Vige Nossa Senhora da Misericórdia! última véis que iéu véndo Rosistska, ainda tava nas fralda e agora moça formada. Lá no Iskapinki, óntem mésmo, um rapagon se assentô do lado de iéu, pidiu cervéza e foi puxando conversa, quando fói simbóra disse qui iéra pra passar na casa déle pra visitar pai que doente estando, mas cumé que iéu vai passar si ném sabe de quém iéle sendo fio e ficando com vergonha de perguntar? Hoje iéu indo pra vila, numa esquina tinha uma mocinha perfumada cherando léite-de-rosa, uma sainha curtinha e uma blusa aparecéndo o vale das teta de ton degotada que sendo, quando iéu passando moça falô: “Oi Tio, tem um cigarro?” Iéu falô que cigaro non téndo mas se sirvindo um paiéro iéu aranjando. Iéu ficando pensando, mais uma sobrinha que iéu non conhecendo, pra non ser mal educado ficô cunversando com móça pra discubrir de que irmon iéla iéra fia. Fiquémo cunversando um tempón iéu non cunsiguindo de jéito nenhum se alembrar daquela sobrinha inté qui iéu preguntando dónde iéla morando, iéla contô qui morando numa casa cor de rosa do lado do antigo sindicato e me cunvidando pra descer duas quadra pra tomar alguma cóisa na casa dela. Pra non faltar com respéito iéu aceitando cunvite, sobrinha se engatô no méu braço e se fumo caminhando inté casa cor de rosa. Se acheguemo no porton, sobrinha nem percizando abri porta porque já estando aberta, iéu pensando, que descuidada que iéla sendo, com iéste monte de bandido solto por aí tendo que dechar casa trancada, mais quando entrando iéu quase caiéu sentadon no chon, lá drento tinha mais umas quinze móça, tudas iélas viéron pra méu lado, déron béjo no rosto e falavon: “Oi Tio! Iéu ném imaginava que família fosse ton grande. Iéu non perdéu témpo, féis de cónta que tava atrasado pro ômbinus, se dispidiu de todas aquélas sobrinhas e voltô pra casa rapidinho, rapidinho, vá que iélas quéron tudo aparecér lé em casa pra tomar alguma cóisa, que despesa que iéu non vai ter?

 

Publicado na edição 1112 – 10/05/2018

Sobre Redação

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado. Os campos requiridos são marcados com *

*