Home / Colunas / Isidorio Duppa / Entrevista – Segunda parte

Entrevista – Segunda parte

Marilia Gabriela – Continuamos entrevistando Isidório Duppa, o Polaco do Xaxixon Vermeio, Isidório porque o Polaco do Xaxixon Vermeio? Isidório – Procausa do grande sucesso musical Xaxixon Vermeio, que contando do dia que iéu indo no armazém com vontade de comer xaxixon vermeio e só tendo romolps, ovo cozido e salame rosa, enton me ofereceron um pon com mortadela e com matega rançosa, iéu mandando fechar aquela porcaria, non tinha nada, non tinha azeite primor de 20 litro, non tinha bolacha Maria, non tinha xuriço de porco, no tinha café-das-oito, non tinha conga, nem cibalena, e depois disso, todos armazém que do interior deron jeito de ter tudos estas coisa pra non passar vergonha.

Marilia Gabriela – Isidório, você escreve as musicas e canta em ritimos vairados que não exatamente polacos, quem deu esta idéia? Isidório – Iéu Mésmo, proque as pessoa goston de coisa diferente, e enton iéu ficando iscuitando as músca que tocando nas radio da cidade e fazendo nos ritimo que cada delas, ansim entrando no gosto do povo.

Marilia Gabriela – E são quantos CDs? Isidório – Ieu féis três, O Comendo Gavirova, o Trator Envenenado e o Cd Pirata, iéste último só tinha na internet pro povo piratiar e conta do dia que iéu gastando os tubo pra gravar cd e antes mesmo de lançar o cd já apareceu um destes camelô vendendo o meu cd pra iéu Mésmo, Desgracéra Mésmo.

Marilia Gabriela – Isidório é também escritor e já publicou 1 livro, conte pára o público com surgiu a idéia de um simples agricultor se transformar num literata. Isidório – Primero que iéu non sendo transformista pra se transformar em porcaria nenhuma, continuando sendo agricultor simples da roça, depois acontecendo que iéu começando a escrivinhar as história no jornal e contando das desgraça e das aligria, da vida que passando na roça e da filosofia que tendo e dos modo de entender o mundo, o poblema que as pessoa que lendo achando ingrassado e das véis achando que iéu inventando as história, mas tudo que escrivinhando se passando com iéu mesmo, enton ficando fácil, foi só ponhar no papel e pronto, enton iéu pegando as primera 100 história que escrivinhando e ordenando como se passando um ano e foi contando tudo que se passando no ano desde que começando inté quando acabando.

Marilia Gabriela – Você usa uma linguagem não tão convencional, isto é alguma revolta com a língua portuguesa? Isidório – Iéu non se revolta com língua nenhuma, acontecendo que iéu só sabendo incrivinhar como falando, enton inventando um novo tipo de iscrita, que metade sendo em protuguéis e metade em polaco, ansim conhecida como portugowski, e as pessoa que lendo em vóis alta lendo com sotaque de polaco e inté parecendo que morando na roça, ansim mesmo acontecendo com quem estando lendo iésta culuna.

Marilia Gabriela – E as pessoas não encontram dificuldade no entendimento? Isidório – No começo inté estranhando um poco, mas despois conforme von lendo acabando sendo fácil, tem gente que inté já se especializando na leitura e lendo pros parente, e tem gente querendo colocar o portugowski como matéria obrigatória nas escola, porque sirvindo como aprendizado pra se encontrar ero de protuguéis.

Sobre Iohana de Camargo

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*