Home / Colunas / Isidorio Duppa / Novos negócios

Novos negócios


Iéu ficando obiservando as pessoa que se virando na vida fazéndo uma coisa deferente que trabaio de roça e se dando bem que das véis ficando pensando o que mais ieu podendo fazer pra ganhar uns trocado. Albino toda véis que indo pra cidade levando encomenda dos pirogue que a muiér dele fazendo e voltando com cesta vazia. Comadre Milka fazéndo umas boneca de paia de mio e dexando nas loja da cidade e volta meia enchendo bolso de dinhero com trabaio casero. Falaron no armazém do Iskapinski que parte da furtuna do Alexo vem dos salame, dos xuriço que iéle ponhando nas tripa de porco e distribuindo nos armazém da cidade e sem contar que a Amélia já construindo mais dois forno de lenha pra assar as brua pra dar conta das remessa de fim de semana. Vendo tanto dos caso de sucesso que inté já podendo fazer um porgrama de televisón na roça do tipo daqueles pequenas empresas grandes encrencas. Deste jeiton pensando que iéu ficando matutando na cabeça que tipo de negócio iéu podendo fazer pra ganhar uns troco a mais. Iéu acabando tendo umas ideia de girino que podendo quem sabe dando certo e non ezigindo grande investimento com poco risco, lembrando do tempo de piazón que sempre que ajuntando uma moeda iéu gastando nos armazém comprando uma Maria-mole, um coraçón de doce de borba, uma xícara de bala colorida, de mindim, e um dolé. Iésto!! Quando ieu sendo piazón iéu fabricava dolé em casa, que nada mais sendo que Ksuco congelado e vendia na escola pra piazada, das véis misturava leite com ksuco pra fazer dolé cremoso. Ansim enton iéu falando com compadre Ignácio preguntando se os dolezero da cidade andon se dando bem e compadre falando que lá os dolezero que se dando bem fazendo umas coisa deferente, uns mirquecheique, um sandeijunior e que tendo fila nos dia de calor. Coisa deferente? Enton o segredo do negócio é fazer uns dolé diferente e foi ansim que iéu imaginando fabricar coisa que ninguém pensando, o dolé salgado, com sabor de toresmo, de xaxixo e de mocotó. Feis uma produçón pra fazer teste, enrolando no papel de mantega pra non grudar e saiéu na cidade com geladera de isopor depindurado nos ombro, iéu cortando umas taquara e rachô pra fazer o assubiu e começô a gritar “óiô dolé da róça, óiô dolé da roça só um real” Moço enton preguntando que sabor que tendo comprando um de toresmo, na primera lambida pedindo dinhero de volta. Senhora com criança comprando um de mocotó de dando pra filho que na primera mordida começando choradera e jogô dolé no lixo, muiér andando com cachorinho comprando um de xaxixo e quando deu cherada féis cara feia e despois que me chamando de tudo quanto é nome que iéu non podendo publicar dexô dolé cair no chon, cachoro primera coisa que fazendo deu bocada no dolé de xaxixo e non tendo cristo que tirasse da boca do animal, enton iéu falando que dolé sendo bom pra cachoro. Moça de contente acabando comprando isopor intero pra dar pro cachoro. E foi deste jeito que iéu acabando descubrindo grande negócio e batizando fabrica de dolé de Dog-lé o Dolé Bom Pra Cachoro.

Publicado na edição 1165 – 30/05/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*