Home / Colunas / Padre André Marmilicz / A busca da excelência

A busca da excelência

Existem pessoas que em tudo aquilo que fazem, sempre buscam a lei do menor esforço. Tudo aquilo que é exigente, difícil, geralmente é tido por elas como complicado, e tantas vezes acabam inclusive desistindo de diversos sonhos porque os consideram quase que impossíveis e intransponíveis. É assim no estudo, quando se contentam em apenas passar de ano; é assim no trabalho quando fazem apenas o básico e o absolutamente indispensável; é assim também nas relações humanas, quando se contentam com qualquer tipo de relacionamento; é assim com relação ao seu futuro, quando pensam apenas no hoje sem grandes sonhos ou projetos.


Para aquelas pessoas que tem metas e objetivos na vida, o seu olhar diante da realidade é totalmente diferente. Não se contentam com o pouco, mas querem sempre o melhor, e buscam em tudo aquilo que fazem a excelência. São seres humanos que fazem toda a diferença e graças a eles é que o mundo vai em frente e tantas descobertas no campo científico são possíveis. No campo da saúde ou da educação, do transporte ou da informação, do esporte ou da indústria, eles vivem se aprimorando e criando novos caminhos, novas soluções. Graças a eles hoje podemos viver bem mais e com mais qualidade, pois suas invenções ajudam a qualificar a vida dos seres humanos.

Se observamos essa diferença com relação a pessoas influentes no mundo, pois graças às suas invenções vivemos melhor, isso também pode ocorrer nas coisas corriqueiras e diárias da nossa existência. A busca da excelência pode ser percebida naquela dona de casa que sempre procura aprimorar os seus conhecimentos culinários. Lê receitas, busca orientações, cria novos pratos, na sede de sempre melhorar. Em qualquer campo, podemos renovar os nossos conhecimentos, ampliar os nossos horizontes e fazer a vida ser bem melhor. Mesmo como padre, eu posso me preparar melhor, ler diversos autores e levar uma mensagem mais profunda para os fiéis. Há o perigo de estacionar e de repetir as mesmas coisas, numa mesmice que acaba afastando as pessoas do mundo religioso. Dou meu exemplo, mas isso vale para todas as áreas de trabalho. Mesmo um professor pode buscar novas técnicas para influenciar os seus alunos na arte da aprendizagem. Quantos professores repetem há anos a mesma coisa, tornando a sua vida tantas vezes uma rotina sem gosto e sem sabor.

A busca da excelência nos torna diferentes, mais completos e mais realizados. Quem sempre repete a mesma coisa, acaba perdendo o encanto e a vibração por aquilo que faz. Mesmo na vida familiar, faz-se necessário de vez em quando um retiro, uma formação, a fim de melhorar o relacionamento diário. Tem pessoas que nunca fazem nada de novo, e todo o dia é a mesma coisa. Isso cansa, esvazia e pode fazer da vida um verdadeiro pesadelo. Por outro lado, a sede de coisas novas renova qualquer pessoa, ambiente de trabalho ou de vida comunitária. A acomodação é com certeza o grande obstáculo para o crescimento contínuo. Nunca podemos nos dar por satisfeitos, como se tivéssemos chegado no topo da vida, e de lá olhássemos em redor com aquele ar de que não exista nada mais a ser descoberto.

Na busca da excelência, é fundamental todo o dia perceber que existe tanta coisa ainda a ser descoberta e aprofundada. Como seres humanos, estamos em contínua construção, como se fôssemos barro nas mãos do oleiro. Podemos ser melhores do que somos hoje e é isso que deve mover diariamente a nossa existência.

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*