Home / Colunas / Padre André Marmilicz / A vida é uma missão

A vida é uma missão

Todo ser humano, enviado por Deus a este mundo, carrega desde sempre dentro de si uma missão específica. Ninguém veio a toa, como simples passageiro, mas incumbido a deixar marcas pessoais por onde passar. Diz Viktor Frankl, psicólogo e psiquiatra, criador da corrente chamada Logoterapia: ‘cada um possui uma missão ou vocação específica na vida. Portanto, ele não pode ser substituído, nem sua vida repetida. Assim sendo, a missão de cada um é tão única quanto a oportunidade específica de implementá-la’. Na visão do estudioso, exatamente por esta sua missão, cada um é insubstituível e se não cumprir o seu papel específico, ficará para sempre um vazio, um vácuo irreparável.

João Batista foi um grande homem, que, com certeza, cumpriu plenamente a sua missão neste mundo. Enviado por Deus com o sublime dever de preparar os caminhos do Senhor, desde sempre teve a clareza do seu papel. Ele tem plena consciência de que não é o Messias, e ele nem se sente digno de desamarrar as suas sandálias. Foi para o deserto, vivendo de modo simples e até meio grosseiro. Falava forte, com um tom de ameaça, dizendo que o machado já está na mão e toda árvore que não der frutos, será cortada. Imprimia certo medo nas pessoas, mas o seu objetivo era claro, como precursor do Salvador da humanidade. Um homem forte, consciente da sua missão, sem querer ser aquilo que não era. Ele poderia, movido pelo poder e pela fama, considerar-se o esperado, mas, nada disso o atrai e muda a sua cabeça. Ele sabe que no momento em que o verdadeiro Messias aparecer, ele desaparecerá para dar lugar a ele. E é exatamente isto o que acontece na sua vida. Mais tarde, ele será preso e degolado, concluindo assim a sua missão nesta terra.

A figura de João Batista continua muito viva na memória do nosso povo. Tantas igrejas, espalhadas pelo mundo inteiro, tem nele o seu padroeiro. Este nome é forte e continua a arrastar multidões para celebrar com festa e entusiasmo o seu nascimento. Dia 24 de junho é considerado o dia em que ele veio a este mundo, filho de Zacarias e Isabel, um casal que já estava com idade avançada e não esperava mais a vinda de algum filho. Zacarias duvidou quando o anjo lhe anunciou a boa nova de que seria pai, e por isso ficou mudo até o dia do nascimento de seu filho. O nome João significa ‘a graça de Deus’, ‘Deus é cheio de graça’, ‘dádiva de Deus’ e o Batista, ‘aquele que batiza com a graça de Deus’.

Assim como João Batista, cada um de nós tem uma missão a cumprir. Não viemos a este mundo por acaso, como erro de cálculo ou por um descuido ou engano. A nossa vinda a este planeta pede de nós uma resposta pessoal, a fim de deixarmos marcas positivas por onde passarmos. Creio firmemente que devemos fazer valer a pena a nossa passagem por este mundo, na certeza de que o mundo já não será mais o mesmo, pois nós passamos por ele. Somos chamados a deixarmos um legado de paz, de esperança para as novas gerações. Como pai, mãe, membro de uma comunidade ou leigo na Igreja, a sua vida é chamada a ser serviço, entrega, doação, na construção de um mundo melhor. Se cada um vivesse plenamente a sua missão, a exemplo de João Batista, o mundo, com certeza, seria pleno de amor, de solidariedade e de justiça. Somos chamados a fazermos a diferença por onde passarmos. A deixarmos marcas de amor em tudo aquilo que fizermos. Não precisamos realizar coisas extraordinárias, mas, a nos empenharmos em oferecer o melhor naquilo que fizermos. Como João Batista, vivamos plenamente a missão que Deus nos confiou, desde o nosso nascimento.

 

 

 

Publicado na edição 1118 – 21/06/2018

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*