Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Pai, a voz masculina

Pai, a voz masculina

Como definir a figura do pai em nossa vida? No passado, a imagem do pai girava em torno do arrimo, como sustento da família. Era ele que ia caçar e trazer o alimento para o lar. Sua figura estava muito associada ao trabalho braçal, físico, deixando para a mulher o cuidado e proteção dos filhos. Um pai mais distante, afetivamente falando, mas muito preocupado com o sustento material. Esta foi a figura do meu pai, que até hoje guardo na lembrança, com saudades eternas. Era normal que o pai estivesse mais atento ao trabalho na lavoura, enquanto a mãe permanecia mais em casa, cuidando dos filhos.


Os tempos mudaram. Hoje, tanto pai como mãe, trabalham fora, e ambos se sentem corresponsáveis pelo lado material da casa. Nas grandes cidades, é raro encontrar uma mulher que fique no lar, cuidando da educação dos filhos, enquanto o pai vai para o trabalho. É por isso que, o pai moderno, participa mais ativamente da vida e do cuidado com o filho. É normal que ele dê o banho, troque a frauda e o embale até dormir, coisas que no passado, eram atividades quase que exclusivas da mãe. Além disso, hoje o pai vai para a cozinha, lava a louça e divide com a esposa, os compromissos da casa. Outros tempos, mas, que com certeza, mudaram a figura, a imagem do pai do passado.

Mas então, o que é especifico do pai? A voz masculina é determinante para um crescimento saudável e harmonioso do filho. Uma voz firme, segura, e que tantas vezes está ausente, por medo de ferir ou de traumatizar. No passado, bastava o olhar do pai e as coisas já entravam em ordem. As palavras do meu pai sempre foram muito firmes, e o seu não demonstrava a força e a clareza da sua missão de pai. Confesso que até hoje ouço o meu pai falando de modo forte, firme e seguro, orientado e definindo o que eu deveria fazer. Isto foi muito importante para a minha vida e para o meu crescimento pessoal.

A voz do pai é uma voz que orienta, indica o caminho e que nem sempre faz concessões. Saber dizer não na medida certa, na hora certa, é simplesmente determinante para que o filho cresça sabendo dos seus limites e dos seus deveres. Quando um pai concede tudo o que o filho quer, ou pior, quando se sente muito amigo, isso pode demonstrar a falta de segurança. O amor verdadeiro sabe dizer não, mesmo que doa na hora, mas que terá seus efeitos positivos no futuro. Quem diz sim para tudo, não educa o filho para a vida, pois a vida nem sempre vai lhe dizer sim. Quantos filhos não sabem enfrentar as adversidades da vida, porque nunca ouviram a palavra ‘não’. Quando o mundo lhe diz não, ele não sabe como reagir, porque não foi educado para os revezes da existência.

Pai é alguém que tem como função principal, orientar o filho, e, através de sua voz segura e determinada, indicar os caminhos da vida. É ele quem aponta a direção e, através do diálogo, do encontro, mostra o que é certo e o que é errado, o que convém e o que não convém. Quantos pais não tem a coragem de negar um pedido do filho, como se isso fosse motivo de trauma no futuro. Os traumas, pelo contrário, advém geralmente como consequência de uma vida muito pautada pelo sim. Agradeço imensamente ao meu pai, que já se encontra junto de Deus, pelos ‘não’ da vida, porque me educaram e me levaram a buscar, a enfrentar tantas situações difíceis e exigentes. Na hora foram pesados, mas depois, me fizeram perceber que ele estava certo. Desejo a todos os pais, firmeza e ternura na medida certa. Tudo o que é demais não presta. Saber dizer ‘não’ é uma arte, que deverá ser dita sempre com ternura.

Publicado na edição 1125 – 09/08/18

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*