Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Viver e ser feliz

Viver e ser feliz

A vida é um grande presente de Deus, para ser colocada a serviço de um mundo melhor. Por mais que tentemos aumentar o tempo da nossa existência, raros são aqueles que atingem a idade de cem anos. Hoje, com certeza, o número de pessoas centenárias cresceu sensivelmente. Aliás, a média de vida de modo geral aumentou consideravelmente. Pensar que no tempo de Jesus a média de vida atingia no máximo os 50 anos. Realmente, hoje se vive mais por causa dos inúmeros benefícios da medicina, que tem tido avanços significativos em descobertas para inúmeras doenças. No dia em que descobrir a cura do câncer, as pessoas viverão ainda mais, como média. Mas sempre será breve e passageira.

Mas, afinal, qual o verdadeiro sentido da existência? O que nos compete fazermos em nossa passagem por este mundo? O que significa ser feliz? Inúmeras teorias defendem a felicidade como vivência de uma missão. O ser humano, criado para ser feliz, só pode sê-lo, vivendo a sua missão, à qual foi designado desde sempre. Certos autores chegam a afirmar que a não vivência da missão, deixará para sempre um vazio, que jamais será preenchido, pois cada ser humano é único e irrepetível. Não existem duas pessoas iguais, e cada qual deve viver à sua maneira, deixando marcas pessoais inconfundíveis. Aí está a beleza da vida, pois ninguém rouba o que pertence ao outro. Quando vivo plenamente a minha missão, me alegro também com a realização do outro. Do contrário, a inveja se faz presente. O invejoso fica triste com a felicidade do outro. É como se isto estivesse diminuindo a sua autoestima.

Pessoas bem resolvidas são aquelas que têm consciência do seu papel neste mundo. Exatamente por isso, não sofrem com as conquistas do outro, pelo contrário, se alegram e se congratulam com suas vitórias. Pessoas mal resolvidas sofrem com a felicidade e as realizações do outro. A partir desta constatação, é fácil observar como nós encontramos no cotidiano da nossa existência pessoas invejosas, exatamente porque não se encontraram, ficam se comparando e quando derrotadas ou diminuídas, encontram modos de destruir o outro. A calúnia é um claro sinal de quem sofre com as alegrias do outro. É como se elas os ferissem e não os permitissem viver. Infelizmente, tais pessoas acabam não vivendo, pois vivem mais para abafar as realizações do próximo, do que para deixar expandir as qualidades e valores que se encontram dentro delas mesmas.

Ser feliz não quer dizer estar imune de problemas e de situações frustrantes. A vida sempre nos reserva momentos difíceis e pesados. No entanto, quem fez um pacto com a felicidade não vive reclamando dos problemas e das desgraças, pelo contrário, vê nelas possibilidades de crescimento. Busca, isto sim, alimentar as soluções para que os problemas morram de fome. Por isso, eu não gosto muito da palavra sucesso. É como se ela fosse algo alcançável, sem dores e sofrimentos. Saber administrar as derrotas, fracassos e perdas, é o maior sucesso da vida. Quantas pessoas se deixam abater diante de realidades adversas, a ponto de cair numa depressão sem precedentes. Quem busca a felicidade, diante das derrotas do dia a dia, sacode a poeira e dá a volta por cima.

A vida é realmente maravilhosa, e vale a pena ser vivida na alegria, na esperança e no otimismo, enaltecendo os pontos positivos, em detrimento daqueles negativos. É priorizar o lado bom, saudável, através de programas positivos, relacionando-se com pessoas positivas, buscando soluções, sem dramatizar os problemas. Portanto, viva a vida. Você merece ser feliz!

 

 

 

Publicado na edição 1120 – 05/07/2018

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*