Home / Colunas / Waldiclei Barboza / E seguimos na idade da pedra!

E seguimos na idade da pedra!

Conversava dia desses com um conhecido meu, empresário na terra dos briosos tinguis, quando o relógio bateu a casa das 21h e ele me disse que precisava ir embora. Soltei o famoso “ainda é cedo!”. Ele então me explicou que queria dormir antes das 23h porque, no dia seguinte, precisava acordar às quatro da madrugada para emitir notas fiscais.

Questionei-o porquê fazer isso tão cedo. Foi então que ele, como diria o Sabiá da novela A Força do Querer, “me passou a visão”: era esse o único horário em que o sistema de emissão de notas da Prefeitura funcionava mais ou menos.

Quem eventualmente mora fora de Araucária talvez até pudesse pensar que aquilo era uma brincadeira, mas infelizmente não é! Os sistemas de informática da Prefeitura são uma vergonha! Este assunto, aliás, não é novidade. O relato desse conhecido, a propósito, me fez lembrar um perrengue que passei dia desses ao tentar simplesmente encontrar uma matéria que havia sido publicada no site oficial do Município. Acontece que não há uma ferramenta de busca por palavra na página. Exatamente: não há sequer como procurar uma matéria digitando uma palavra chave no site da Prefeitura.

Estes absurdos me fizeram recordar que eu mesmo já abordei essa escuridão tecnológica que vivemos em Araucária, neste mesmo espaço, lá em dezembro de 2015. Naquela oportunidade, a Prefeitura havia sofrido uma espécie de pane em seus sistemas de informática, o que prejudicou quase que a totalidade das secretarias municipais, bem como o comércio local, que, por dias, ficou impedido de emitir notas fiscais.

E é justamente em razão dessa incapacidade do poder público municipal de resolver o problema que, passados dois anos, volto ao tema. A visão da Prefeitura continua míope quando o assunto é tecnologia da informação. Seguimos na idade da pedra na oferta de ferramentas de informática que verdadeiramente otimizem o trabalho dos servidores municipais. Seguimos incapazes de facilitar a vida de nossas empresas, que necessariamente precisam de certos softwares ofertados pelo poder público em sua rotina diária. Continuamos mantendo o cidadão comum às margens do maravilhoso mundo novo da era digital. Isso porque sites e sistemas de controle social ofertados pelo Município não são funcionais e, por conse­quência, nada didáticos.

Araucária, um município, com um orçamento anual na casa do bilhão, deveria se envergonhar de não possuir até hoje, pasmem, um técnico de informática que seja, concursado. Ora, que diabos podemos esperar de uma cidade tão medíocre assim em termos de tecnologia de informação? Em pleno século XXI é impossível ter sucesso em qualquer coisa que façamos sem estarmos antenados com as novidades digitais. Logo, se para vendermos cachorro quente precisamos de um sistema de gerenciamento de estoque e coisas do gênero, imagine então para gerir uma cidade?

Araucária precisa urgentemente rever a prioridade que dá para sua área de TI. Do contrário, continuaremos sempre um passo atrás de ontem. Isso mesmo, de ontem!

Comentários são bem vindos em www.opopularpr.com.br. Até uma próxima!

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*