Início / Colunas / Isidorio Duppa / A regressão

A regressão


Iéu das véis em quando tendo uns sonho estranho, que sendo outra pessoa e que vivendo nuns lugar que nunca ovindo falar, das véis fugindo dos bandido querendo me matar, otras com espada na mon furando os bandido, das véis estando casado com monton de fio puxando nas calça e das véis inté fazéndo istripulia despois que as criança drumindo, iéu confessando, nestas hora iéu non querendo acordar. Iiéu contando iésto pra Flortcha e iéla me dizendo que son uns resquiço das vida passada e que iéu devendo fazer uma tal de regressón pra saber quem iéu sendo nas otras vida, iéla dizendo que iéla tendo mania de limpeza proque nas vida passada iéla sendo faxinera de castelo. Enton Flortcha me indicando um pepsicólo que trabaiando com iésta coisa de regressón, um tal de Dr. Ediso, e que talvéis sendo por iésto que iéu inté hoje non arumando casamento. Iéu foi neste tal Dr Ediso, iéle já foi falando que custando 100 Real, que camarada profissional iéste sendo, nem começamo consulta iéle já regredindo meu dinhero. Me deitando numa maca começando a falar umas palavra que deron sono e acho que iéu apagando nun sono profundo, na cabeça começando a vir uma image estranha, iéu percebendo que tendo uma barba branca cumprida inté nos zumbigo, um cabelo cumpridon que nem de muiér véia, iéu tava na frente de um quadro com pincel na mon, iéu tava pintando a cara de uma muiér de nome Simona, sentadona na minha frente, com cabelo crespo, iéla dava um sorisinho de canto de boca e dizia pra iéu que querendo que iéu dexasse o cabelo dela liso na pintura, quando iéu acabando iéu mostrando pra iéla, Desgraçada non gostando do trabaio e saiéu sem pagar, iéu enton de réiva pra se vingar acabando pindurando o quadro num poste e ponhando o nome de Mona Lisa em veís de Simona Crespa. Despois acordando deste sonho acabando entrando em outro, que coisa esquisita, iéu estando na frente de uma orquestra cheia de rebeca, corneta e clarineta, com um coro que nem de igreja cantando, mais eu non iscuitava nada, eu balançava os braço e pessoal tudo zoiando pra iéu com que sendo iéu que mandasse eles tocar, mas tava tudo no silênço, quando acabando iéu vendo que num teatro enorme povo tudo batendo palma de pé e iéu só sentia o vento das palma balançando os cabelo mais sem iscuitar nada, daí se achegando uns padre gordo me dando abraço e um deles me entregando um bilhete, quando abrindo estando iscrivinhado numa língua estrangera: Danke Beto Vem. Daí saiéu deste sonho já estando montado num cavalo bebendo água num riacho, iéu estando com uniforme de soldado e percebendo que iéu estando torado de cachaça proque tudo girando nas cabeça, pensando que estando numa guerra quando se aprochimando um peloton da cavalaria querendo me prender por bebedera, ieu querendo fugir mais cachaça non dexando nem encontrar as rédia, peloton se achegando mais perto me cercaron e me entregaron um outro bilhete, iéu tentava ler mais as vista non ajudando, enton peloton começando a gritar em coro pra iéu ler o bilhete e gritar bem alto, iéles ficavon que nem a torcida dos coxa mandando time pra frente, iéu foi ler bilhete e gritei bem alto, Inocência ou sorte. Enton se aproximando um camarada que dizendo que sendo outra coisa que estando iscrivinhada e falando no meu zovido as palavra enton iéu despois de vomitar e dar tréis soluço gritou bem alto: Independência ou Morte!, povo tudo levantando as espada e vibrando de alegria. Despois que iéu acordando Dr Ediso me preguntando quem iéu sendo nas vida passada, enton iéu contando que agora iéu sabendo porque non casando, porque sempre sendo pessoas sem importância nenhuma.

 

Publicado na edição 1104 – 15/03/2018

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*