ter. set 22nd, 2020

Se existindo coisa que pega mésmo é apelido quando o apelidado non gostando, iéu nunca foi de dar muita bola pra iéstas cóisa proqué sempre achando que de tudo quanto é coisa que já me chamaron sémpre alguma razon tendo. Ansim quando era rapagon inventaron de me dar apelido de “cabrito lóco”, nas hora iéu inté ficando poco incomodado, mas só de pensar nas cabrita, bém, non ficando muito cérto contar iésta história porqué tém muita criança lendo as coluna do Isidório. Ótra véis começaron a me chamar de “Elegante”, porque me aparecéndo um deste furunco nas naldega que nunca sarando e por mais que espremendo sémpre voltando mais grande e quando indo sentar téndo que usar só meia bunda, e sentando que ném iéstas pessoa rica de perna cruzada, inté pra ir na casinha tinha que cruzar as perna que ném gente elegante. Iéstes apelido que davon pras pessoa e que rapaziada ficava caçoando, quém non gostava partia pra briga de ripa. As menina também recebion uns apelido e pra iélas é que os apelido pegavon pra chuchú, iélas pra se defender saion das cozinha com que achavon na frente, uma chaléra, uma pachoscka, uma panela e muitas véis com um bule de café na mon, daí que surgindo o termo “Buling”, que quer dizer: “Jogar o Bule em alguém”. Flortcha, minha irmã mais nova enton virava nos Diabo quando davon apelido pra iéla e zóia que non séndo póco dos apelido que inventaron, perna seca, polaca lambida, recheio de casinha, beronha assanhada, modess de pulga, cabrita perneta, espiga cabeluda e ansim por andiante, algumas véis iéu saindo coréndo da cozinha com as escosta pelando de café quente porcausa deste tal de Buling dela. Méu Irmon mais véio Mietcho, pense nun camarada feio, féio ainda é elogio, é órive mésmo, ansin sem o H proqué H é uma letra bunita, conton os antigo que pai tava ton brabo quando fói fazér o Mietcho que largou-lhe um peido daqueles fumegante, aquéles de repóio misturado com pinhon, Pai recebeu o apelido de “Peido dos Diabo” e Mietcho de “Já Moréu”. Mais dos parente que mais se enfeson quando chamam pelo apelido, que já procuram confunson é o compadre Ignácio, e iesta história vale a pena contar porque compadre Ignácio non lê o jornal enton iéu ficando protegido das ameaça de morte que compadre indo fazér se alguém contar pra iéle que a história dele saiéu no Prapular. Uma véis compadre tava ton torado, ton bêbado que em véis de ver tudo dobrado vendo quatro coisa no mésmo tempo, bém iésto sendo inté meio normal pra quém conhecendo iéle, mas naquele dia quando se achegando em casa, a comadre que estando de fio pequeno e com os peito seco, sem leite, pidindo pra compadre pegar poco de leite de vaca. Compadre fói na estrebaria com balde pra tirar leite e quando viu as quatro teta da vaca, tento pegar com as quatro mon, quando consegui segurar na teta deu um puxon ton forte que o Boi só déu umas zoiada pra tráis e sento-lhe um coice que pegô no joéio deréito do compadre, com o coice os misco, os ligamento, a petéla do joéio se arebetaron intera. Fizéron de tudo pra salvar a perna do compadre mas os médico disséron que iéle ia cunsiguir andar despois de trezentas e cinqüenta seçon de fisiopederastia mas mesmo ansim indo ficar manco pro resto da vida. Bém, a história podia ser trajédia se non acontecesse o engraçado, compadre nunca mais pode ter cachoro em casa, porque toda veis que anda parecendo que se abaxando pra pegar pedra e nun ficando nenhum dos canino por perto com medo de pedrada, ganha uma maria-mole quem tiver corage de chamar o compadre Ignácio de “Espanta Cachoro”.

Publicado na edição 1127 – 23/08/18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.