Compartilhe esta notícia

A se confirmar as conversas pré-convenções, Araucária pode ter em 2020 uma das maiores eleições municipais de todos os tempos. Pelo menos em número de candidaturas a prefeito. São sete chapas, podendo chegar a nove. É, como dizem, os antigos: candidatos saindo pelo ladrão. Esta semana, por exemplo, boatos vindos das trincheiras do MDB dão conta de que até o ex-prefeito Olizandro José Ferreira estaria disposto a arriscar um retorno à política.

Por enquanto, a única confirmada por convenção é a composta por Albanor José Ferreira Gomes (Podemos) e Tatiana Nogueira (PSDB), que realizou seu encontro na terça-feira, 1º de setembro.

No sábado, 5 de setembro, será a vez do Avante realizar o encontro com seus filiados. Na oportunidade será homologada a candidatura de Péricles Alves Pinto. O nome do vice ainda não foi divulgado, mas já estaria escolhido.

Já no feriado de 7 de setembro quem reúne seus correligionários é o PSL e o PROS. O roteiro dos encontros já está rascunhado. Gustavo Botogoski será proclamado candidato a prefeito. A vaga de vice está entre o advogado Gledson Zawadski e o médico Daniel Saucedo. O advogado, porém, está algumas braçadas a frente do médico pela vaga.

Já no dia 11 de setembro estão agendadas as convenções do PT e do MDB. No Partido dos Trabalhadores não tem segredo, a chapa majoritária será composta por Luciano Zanetti e Hosana Marcondes.

Já no MDB tudo anda meio nebuloso. Hino Dirlei Falat Pereira de Souza ainda é pré-candidato. Mas nos últimos dias aumentou os rumores de que o ex-prefeito Olizandro José Ferreira estaria disposto a tirar as pantufas e ser novamente candidato. Isto, menos de quatro anos depois de renunciar ao cargo de prefeito em razão de uma doença. E, pouco mais de dois anos depois de ter passado algumas semanas preso no Complexo Médico Penal (CMP) acusado de liderar um gigantesco esquema de corrupção na Prefeitura de Araucária. O que teria animado o ex-prefeito a voltar ao ringue eleitoral seria a decisão da do Tribunal de Justiça de remeter os processos em que figura como réu à Justiça Eleitoral. Essa remessa, porém, não muda o fato de que ele continua sendo acusado pelo Ministério Público de liderar uma organização criminosa, que teria lesado o Município em alguns milhões de reais. É justamente por conta disso que, dentro do próprio MDB, a possibilidade de ter que pedir votos para Olizandro gera constrangimento. Há quem diga, inclusive, que a candidatura de Olizandro pode prejudicar substancialmente as intenções de seu filho, Olizandro Junior, de se eleger vereador. Independentemente de qualquer coisa, é preciso esperar a convenção de 11 de setembro. Afinal, os encontros do MDB são sempre recheados de surpresas. Algumas boas, outras muito longe disso.

Já a convenção do PC do B está marcada para 12 de setembro. Nessa oportunidade pode ser confirmada uma candidatura própria. Internamente, porém, o partido também conversa com o PDT sobre uma eventual coligação e também com o PT.

No dia seguinte, 13 de setembro, será a vez do PTC se reunir. A chapa majoritária está sacramentada. Terá Professor Brogian candidato a prefeito e Silvana Fernandes vice. Silvana é esposa do candidato a vereador pelo partido, Leandro Andrade Preto.

Hissam.

As últimas convenções acontecem no dia 15 de setembro e serão aquelas que confirmarão a chapa candidata à reeleição, composta por Hissam Hussein Dehaini e Hilda Lucalski. Cinco partidos irão compor a coligação: Cidadania, PSD, Republicanos, PL e Progressistas.

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1228 – 03/09/2020

Compartilhe esta notícia


close