Início / Colunas / Isidorio Duppa / Cemitério dos índios

Cemitério dos índios


Conton os antigo que ali pelas banda do Palmital se esconde enterado o antigo cemitério dos índio, ninguém sabendo ao certo onde sendo a localizaçón proque nestas história que se passando de geraçón pra geraçón poco se perde no caminho, se bem que também se perde pros advogado quando se passa de geraçón pra geraçón, mais iésta sendo outra história, voltando pro antigo cemitério, conton que quando se passando de noite na bera do mato dos Zostrowski inté hoje podendo se iscuitar as cantoria indígena e sendo perigoso porque as alma dos índio querendo entrar no corpo dos vivo, ansim acontecendo com o Pedro Frechówski que quando entrando no mato saiéu peladon e dando pulinho, resmungando um dialeto dizendo que sendo dança da chuva, levaron Pedro amarado pra Dona Izabel Benzedera e iéla tendo trabaio pra espantar a alma do índio do corpo do Frechowski, inté hoje Pedro Frechowski non varia bem das cabeça, anda por aí caregando um saco nas escosta dizendo que drento tendo sabedoria dos antepassado, iéu achando que um poco da alma do índio ainda estando no corpo do Pedro, inté proque iéle já sendo preso umas tréis véis por estar caçando cadorna na bera do Iguaçu com arco e frecha. Uma véis corendo boato que a Amélia dos Foguerówski entrando no mato dos Zostrówski, rapaziada toda saiéu nas disparada pra ver se iéla saiéndo também peladona e dando pulinho, mais iésto non acontecendo, quando iéla saiéndo do mato estando com os zoio vidrado, dizendo que iéla sendo a iscolhida do Pajé, inté hoje ta solterona proque achando que o índio vindo buscar iéla. Iéu non acreditando muito nestas crendice mais pro via das dúvida miór mesmo non ariscar, e quando passando pelo mato dos Zostrowski iéu acelerando os cavalo. Mas coisa estranha acontecendo onte quando passando pelo Palmital, iéu começando a iscuitar um piu deferente parecendo de Inhambú misturado com galinha dangola, uns miado parecendo gato escaldado com banha quente, uns grito de muiér igualzinho o da Florcha quando pisando em espinho de sapé, que non teve jeito, alguma coisa fazendo com que os cavalo parasse caroça, por mais que iéu desse chicotada no lombo dos equino parecia que alguma coisa prendia as pata e non saion do lugar, começando a bater desespero, iéu sentindo alguma coisa me puxando pra drento do mato, pro mais que iéu tentando ir pra frente a força me puxando pra tráis, iéu só vendo as arve passando nas vista e os gaio dos arbusto surando minhas escosta, até que numa clarera iéu viu a figura de uma índia, com os cabelo cumprido incubrindo as teta e só uma tanguinha feita de pena de galinha carijó nas anca, me zoiando com uns zóio baxo de quem toma comunhón, se virando descosta e me chamando pra ir detrais dela no carero, iéu ficando meio discunfiado achando que sendo visage, no mesmo tempo achando que podendo ser verdade, bateu pensamento pecaminoso, zoiando prum lado e pra otro e non vendo ninguém, saiéu corendo pra alcançar a indiazinha no meio do mato e na virada do arbusto iéu vendo a índia sem a tanguinha, foi corendo pra fazer o que cabeça pensando e quando indo dar abraço na índia, caieu drento do banhadon, moiando as calça inté as cintura. India desapareceu. Desgracéra Mésmo!!! Inté hoje quando passando pelo mato dos Zostrowski iéu molhado as calça!

 

Publicado na edição 1101 – 22/02/2018

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*