Início / Colunas / Isidorio Duppa / Conversas no celular

Conversas no celular


Non tendo uma só pessoa na sala de espera do UPA que non estando com cebular na mon. Tudo mundo mechendo neste zap-zap, nos alfacebuk, os barulhinho das chamada parecendo um bando de Perú tarado corendo atrás das Perua solta no mundo e zoia que sala estando com gente saiéndo pelas venta. Bem, pelo menos sendo uma distraçón, iéu ficando só zoiando nas cara das pessoa uns com soriso na cara, otros com cara fechada, uns com semblante de felicidade otros nen tanto, umas velhinha digitando que nem tartaruga e uns mais novo parecendo tirar faísca do cebular, iéu inté achando que as pessoa já non se conversam mais com a boca mais com os dedo e vai se achegar um tempo que a língua vai perder a funçon de dizer palavra proque os dedo von assumir o trabaio e se conversar que nem os mudo falon. Quando tocando um dos cebular tudo mundo querendo atender pensando que sendo o dele que estando tocando, inté ingrassado sendo, muierada revirando as bolsa que nem desesperada percurando cebular, rapaziada batendo nos bolso e os perdido que nem sabe onde ponharon o dito cujo. Moça do meu lado que sendo a premiada da ligaçón, atendeu o apareio e non quis dar uma de educada pra non perder o lugar sentada, sala intera enton ficando iscuitando a conversa. Moça achando que estando conversando com namorado, foi dizendo no cebular que coisa estando dolorida e saindo sangue e que iéla devia ter aberto mais porque o troço que iele colocando dentro e ainda forçando com as mon dexarón que a region toda ficasse esticada e que sendo a primera veis que iéla fazendo iésto. Tudo mundo ficando zoiando pra moça com uns zoio discunfiado, uns dando risadinha de canto de boca, as veinha fazendo de conta que estando rezando terço pra disfarçar, as balzaquiana fazendo cara de inveja e quando a moça percebendo, foi dizendo pra tudo mundo que estando falando com o dentista dela que fazendo tratamento de canal. Enton batendo outro cebular e de novo tudo mundo percurando inté que atendendo um sujeito e já foi dizendo “oi querida”, iéu achando que devendo ser a esposa dele do outro lado pra chamar de querida, enton iele fazendo cara de alegria, e foi dizendo que sendo a melhor noticia dos últimos tempos e que iéle estando muito feliz por iésto e que iéle ansim que voltar pra casa iéle já resolvendo iéste assunto, desligou telefone e começando a dar pulinho de felicidade, tudo mundo ficando feliz só de ver moço feliz e inté preguntemo porque tanta alegria e sujeito dizendo que assim que chegando em casa vai levar a sogra dele na rodoviária. Enton outro cebular tocando e atendendo uma mulher que escondendo cara e falando bem baxinho com a mon escondendo cebular, tudo mundo ficando em silênço só pra iscuitar conversa e ela só repondendo “Tá bom amor, tá bom amor, tudo bem amor, tá bom querido, também te amo”. Nóis tudo achando bonito que ela estando apaixonada pelo marido inté que enfermera abrindo porta e perguntando quem sendo a esposa do médico? mulher se alevantando com cara vermelha entrou no consultório sem dizer uma palavra.

 

 

Publicado na edição 1110 – 26/04/2018

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*