Início / Colunas / Isidorio Duppa / De cabelos brancos

De cabelos brancos


Tá ficando véio hein Seu Isidório!!! Déu giada na roça Seu Isidório!!! Olha os cabelinho branco do polaco!!!! Duns témpo pra cá iéu cumeçando a escuitár iéstas frase no armazém do Iskapinski, nas saída das missa, até parecendo que pessoal cumbinado de falar mesma coisa pra iéu se sentir mais véio. Interessante é que despóis que falaron dos cabélo iéu cumeçô a sintir uma dor nas anca, umas canséra do final do dia, anda méio esquicido das coisa. Semana passada iéu trabaiando no domingo pensando que sendo segunda-fera e fói na missa missa na térça. Cortaron a luiz de casa proquê iéu num lembra onde ponhando a conta, iéu acabando discubrindo que quanto mais cabélo branco aparecendo mais doente, esquecido e estrupiado a gente ficando. Iéu enton resolvéu tomar decison importante na vida, pra que iéstas doença de velhíce von tudo embora, já que ton tudo estando relacionado com os cabélo branco, negócio é fazér que ném povo da cidade: passar tinta na cabeléra. Méio com vergonha de preguntar como que passa tinta nos cabélo, iéu fói na farmácia e contando pra móça do balcon que tinha encoménda de tinta de cabélo pra levar pra Flortcha minha irman, móça féis um monton de pregunta, que cór? Loro médio? castanho escuro? maron caju? pra pintar no frio ou no quente? antes de banho, despóis do banho? pra quanto tempo durando? Iéu non sabendo porcaria nenhuma das cóisa e apontô pruma caxa na parteléra, que cór iéra iéu non sabendo, mais fotografia da móça na caxa da tinta parecia a Gina da caxa de palito de dente. Voltando pra casa foi ler bula da tinta, escrivinhado estando que tinha que aplicar com cabélo moiado e dexar tréis hora secando, depóis lavar com água quente e fazér escova. Iéu enfiando cabeça no balde de água e passando o pruduto nos cabélo, pra aproveitar bém ainda passando nas subrancéia, nos pelo do braço, das perna, bem, lá também. Iéu ficando peladon foi juntar umas piaçava pra fazer a tal da escova e ficando esperando as tréis hora se passar. Non dando méia hora aquéla pasta do corpo cumeçô a arder, queimar que ném urtiga, iéu me agüentando com aquéla massa espaiada no corpo intero. Despois de méia hora sintiu uma cosquinha nas costa, eron os piolho que resolvérom abandonar cabéça e tavon descendo, antes que iéles resolvessem escoiér um lugar mais seguro, aquéle mais embaxo, iéu se coçando na quina da porta e espremeú a piolhada. Ardeçon tava cada véis mais forte, iéu se agüentando. Quando déu hora e méia, perna, braço, cara tava tudo parecéndo pimenton de ton queimado, cabeça pegando fogo, iéu num agüentô mais, saiéu coréndo pro único lugar mais pérto pra aliviar queimaçon, pro riberon. Méio que escondéndo os principal, mon na frénte e ótra atráis, pegô estrada e coréu, coréu, coréu e merguiô pra drénto do riberon. Tirô toda tinta do corpo, e quando saiéu da água, índio piscodélico parecéndo, pele verméia e cabelon amarelon caganéra, subrancéia ochigenada, pelo dos braço e das perna parecéndo porco-ispinho de ton iriçado e aqueles otros pélo lá debaxo cabélo de anjo parecéndo. Negócio fói voltar pra casa e fazér quarentena, se alguém ver iéu desse jéito capaiz de chamar o fantástico pra entrevistar o último índio da tribo dos bocó-de-teta. Desgracéra Mésmo.

 

 

Publicado na edição 1114 – 24/05/2018

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*