Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Encontros que transformam

Encontros que transformam


A vida do ser humano é marcada por encontros. Alguns deles passam totalmente despercebidos, outros afetam negativamente, e, tem aqueles que mudam suas vidas. Não há como negar que somos ‘afetados’ pelas pessoas, no bem ou no mal. Tantas vezes a nossa vida muda totalmente de rumo, de direção, por causa de um encontro, que influenciou definitivamente a nossa existência. Simplesmente a vida já não é mais a mesma, porque aquele encontro como se costuma dizer ‘virou a sua cabeça’, podendo ser para a direção certa, ou então, para um desvio que tantas vezes não tem mais volta. Cada um de nós teve ao longo da sua vida uma série de experiências de encontros que foram decisivos, no bem e no mal.

Jesus foi um homem de relações, de encontros com as mais variadas pessoas, de diversos níveis sociais, culturais e religiosos. Ele amava se comunicar, parava para conversar, abençoava quem cruzava seu caminho, escutava aqueles que vinham pedir socorro e ajuda e se compadecia dos pobres e sofredores, chorava com aqueles que perderam seus entes queridos, animava aqueles caídos por terra. Um homem cheio de relações, que fez da sua vida um espaço de encontro com os mais necessitados e carentes. Um exemplo, um modelo de ternura, de doçura, de misericórdia e compaixão.

Nos santos evangelhos nós encontramos diversos encontros de Jesus com as pessoas, e, em todas elas, existe um antes e um depois no seu jeito de ser, de viver e de encarar a própria vida. A mulher samaritana é um exemplo claro de alguém que mudou radicalmente o seu jeito de ser, depois do encontro com Jesus. De mulher pecadora ela se tornou no final do diálogo com o mestre, uma verdadeira discípula e missionária. Saiu rapidamente de onde ela se encontrava, ou seja, no poço de Jacó, e foi para a cidade anunciar que tinha encontrado o Messias e ele tinha transformado a sua vida.

Mas o que mesmo atraía e fazia a diferença no encontro com Jesus? Antes de tudo, o seu profundo amor e respeito por cada ser humano. Ele acolhia cada um sem juízos, sem falsidades, sem condenação, mas oferecia a possibilidade de conversão e salvação. A sua grande preocupação era com o bem daquele que o procurava, em apresentar para ele o caminho que conduzia para a verdadeira felicidade. Um homem profundamente compassivo com os mais pobres e sofredores. Um ser dotado de uma ternura e um amor sem limites. O seu único desejo era ajudar, se sensibilizando com a história e a realidade de todos aqueles que dele se aproximavam. Um jeito sereno, terno, amável, compreensivo, como nunca um homem foi capaz de ter e de expressar. As pessoas queriam estar ao seu lado, tocar na sua veste, sentir e usufruir da sua presença. Depois do encontro com Jesus, as pessoas simplesmente não eram mais as mesmas. Acontecia nelas uma verdadeira transformação.

Num mundo marcado por tantos desencontros, o seguidor de Jesus Cristo deve fazer a diferença. Seguir a Jesus é revestir-se do seu jeito de ser, de falar, de se expressar e de agir. Nossos pés, mãos, braços, devem refletir no encontro com o outro, um profundo respeito e acolhimento pela pessoa do próximo. Quando nos enchemos do espírito de Jesus, é natural que a nossa vida assuma um olhar de misericórdia, um agir compassivo, e, tudo o que fazemos, tem como objetivo a plena realização do outro. Será que as pessoas saem renovadas e transformadas quando se encontram conosco? Jesus, o homem dos encontros marcados pelo amor, pelo respeito, pelo perdão e ternura nos ensina a fazermos o mesmo que ele fez.

Publicado na edição 1203 – 12/03/2020

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*