Normalmente evito abordar problemas pessoais nestes dois mil caracteres semanais que o editor me concede. Faço isso porque, embora saiba que a vida não anda fácil para ninguém, me considero um privilegiado. No entanto, hoje, quero abrir uma exceção para também reclamar!

 

E, ao contrário do que dizia a clássica música de Raul Seixas, minhas queixas não são para fazer sucesso e nem para vender disco de protesto.

 

Preciso reclamar porque, ao longo dos últimos dois meses, recebi três multas por, em tese, estacionar em desacordo com a legislação municipal de trânsito. Traduzindo: não habilitei o meu estacionamento rotativo, fui flagrado pela ararinha e, no prazo de cinco dias, não regularizei a infração.

 

Ora, o que anda me revoltando neste caso é que eu não cometi às infrações que me foram imputadas pela autoridade de trânsito municipal. No entanto, não tenho como provar isso porque tanto a Prefeitura quanto a empresa que gerencia o EstaR não tem a mínima preocupação com o motorista araucarienses. Estamos reféns de informações que não podem ser auditadas.

 

Reclamo porque, como todos sabemos, a legislação que estipulou o Estacionamento Rotativo em Araucária prevê que os veículos só ficam sujeitos à multa por não habilitação do EstaR após cinco minutos parados  numa vaga alcançada pelo sistema. O problema é que, se dentro destes cinco minutos, uma ararinha passar pelo nosso carro, ela simplesmente imprime a filipeta de irregularidade e deixa lá, dependurada em nosso pára-brisa. Em tese, essa notificação só passaria a valer após sua autenticação pelo agente de trânsito. Isto porque, como sabemos, a funcionária da empresa que administra o EstaR não tem autoridade para nos aplicar uma multa.

 

O grande problema aí é que, infelizmente, o cidadão comum quando chega ao seu carro e vê lá a bendita filipeta não tem como saber se ela foi ou não autenticada pelo agente de trânsito. Restam-nos então três alternativas: procurar uma ararinha e pagar a taxa correspondente a cinco horas de EstaR, ir até a Prefeitura e procurar a Secretaria de Urbanismo para verificar se o aviso de irregularidade foi validado ou não fazer nenhum e nem outro e torcer para que não tenha havido a autenticação e o aviso de irregularidade não se transforme numa multa, com a acumulação de pontos em nossa carteira.

 

Independentemente de qual seja a opção que escolhermos, é impressionante como em todas elas o motorista fica refém. Por exemplo, a ararinha simplesmente não nos informa se o aviso de irregularidade foi ou não autenticado, meio que nos forçando a pagar as cinco horas de punição por não termos habilitado o EstaR. Do mesmo modo, se procurarmos a Secretaria de Urbanismo para saber sobre a autenticação, recebemos uma simples resposta de boca, sem nenhum comprovante de que realmente estivemos lá.

 

Eis aí, aliás, o motivo de minha reclamação. Em várias oportunidades parei meu carro em áreas abrangidas pelo EstaR para resolver situações rápidas, daquelas que levam menos de cinco minutos. Em três vezes destas, ao voltar, encontrei lá o aviso de irregularidade. Conversando com as ararinhas, elas queriam levar cinco horas de estacionamento para regularizar a pendência. Fui então à Secretaria de Urbanismo e lá recebi a informação de que não precisava me preocupar porque estava tudo certo. Pedi um protocolo de atendimento e eles simplesmente negaram. Passado pouco mais de um mês, no entanto, recebi três multas por estacionar irregularmente.

 

Ou seja, aqueles avisos de irregularidades que – segundo a Secretaria de Urbanismo – não foram validados viraram sim multas. Ou seja, eles teriam sido validados. Eu, embora tenha recebido a garantia de que “poderia ficar tranquilo”, acabei me ferrando.

 

E, como eu disse no início deste texto, eu fiz questão de reclamar disso porque, tenho certeza, há mais dezenas, talvez centenas de pessoas na mesma situação do que eu. Gente que recebeu uma garantia verbal de que não precisava de preocupar, mas que posteriormente acabou sendo prejudicado.

 

Esse amadorismo ou sacanagem mesmo da Prefeitura e da empresa que gerencia o EstaR são inadmissíveis e precisam o quanto antes serem revistas. Porque, do jeito que está, não podemos confiar nos órgãos que foram criados justamente para dar segurança aquilo que praticamos diariamente.

 

Comentários são bem vindos, sempre. Até uma próxima!

 

By Waldiclei Barboza

Waldiclei Barboza é jornalista da editoria de Política de O Popular do Paraná desde 2005. Sempre às quintas-feiras, publica neste espaço e na edição impressa de O Popular uma Coluna sobre o dia a dia da política local.

15 thoughts on “Eu também vou reclamar!”
  1. Aconteceu o mesmo comigo. Pior eu estava vendo o meu carro de uma certa distância. E o guarda não passou pra validar. O negocio é começar um movimento pra tirar esse bando de ladrão das ruas de araucaria. Eu proponho um abaixo assinado
    Assim eu quero ver se nao muda.

  2. Concordo com o texto acima, entendo que este sistema se benificia sê de má fé, podemos considerar a “máfia do estar”. O sistema pode ser melhorado por eles, claro que eles nao pretendem ser mais transparentes porque se não estão perdendo dinheiro. Como podemos resolver isto?

  3. Concordo com um sistema de estacionamento rotativo. Trabalho em São José dos Pinhais onde o trânsito é louco e estacionar só pagando R$5 à R$7/hora pois na rua não é seguro além de não encontrar vagas na área central. E sim, também concordo com as irregularidades por parte do órgão que administra o sistema do rotativo pois já passei por isso 3 vezes. O que me resta é, independente do tempo que eu vá gastar, seja 1 hora ou 2 minutos, pagar o estaR. Mas tem todo meu apoio, Waldiclei. Justas reclamações.

  4. O Waldinei aí acima pelo jeito é um exemplar cumpridor da lei… aconteceu comigo, por exemplo, parar o carro exatamente em frente ao escritório da empresa que administra o Estar em Araucaria, liberar o ticket pelo celular, ir na loja de frios que tem na frente e quando voltei, tinha uma notificação no parabrisa do meu carro… tanto a Ararinha como a menina do Administrativo não sabiam o que tinha ocorrido e depois de muita perturbação, viram que erraram…

    Eu acho que, como já comentei aqui nesse jornal, os agentes de trânsito deveriam de se preocupar menos com EstaR e em ficar fechando ruas (pois os agentes de trânsito se acham os seres mais importantes da cidade quando não passam de meros arrogantes) e, por exemplo, se preocupar em multar os infelizes motoristas mal educados que furam sinal na Avenida das Araucarias onde realmente os acidentes são constantes…

  5. O aburdo maior e que voce nao encontra estas ararinhas quando precisa e quando vai nos locais indicados para compra do estar, nao vendem mais, ou quando vendem te atendem de mau humor e nao querem dar troco querem trocado, outro caso aconteceu comigo em frente ao paço municipal, naquele dia estava de moto e parei em frente a entrada que tem espaço reservado a motos, quando vinha chegando uma destas que se acham autoridade, achei que estava com sorte pois nunca as achamos por perto, entao pedi uma hora, e ele ficou olhando eu çegar o dinheiro quando saquei 10 reais da carteira ela me dice nao vou cobrar uma hora de 10 reais, eu fale que sinto muito mas e a nota menor que tenho, e ela foi atender outra pessoa que chegou e falou de dez eu naos tiro, e me ignorou, perguntei entao o que deveria fazer, e ela entao para minha surpresa falou que eu preocurase uma loja para compra… ?!?!?! E se eu nao ximprar

  6. E seu nao comprar?!?! Haa dai eu te multo!! Como assim se voce nao quee cobrar?!?! ..me ignorou novamente, fiquei bravo tirei uma doto dela para reclamar, sai daquela vaga comprei a M… Voltei ao paço municipal para fazer o devido, aproveitei para fazer uma reclamaçao na ouvidoria, mas isso ja faz quase um ano e nao recebi a resposta quanto as providencias que seriam tomadas a unica coisa que fiquei sabendo de util era que o estacionamento debaixo do paço e gratuito, quando nao esta cheio claro…e sr.. O que a prefs. Vai fazer quanto a isso?!?$

  7. Eu já perdi as contas de quantas infrações vi os agentes de transito cometendo

  8. Concordo com algumas dos pontos, mas acho que a melhor forma de verificar se foi autuado o não é pelo portal do estar de araucária, pois lá é possivel recarregar os créditos e ver autuação e regularizar por este portal. Não quero ser chato, o portal e o aplicativo, não são maravilhosos, mas que estaciona em Curitiba sabe que usar cartão de estar, é coisa do século passado, pois alimenta um mercado paralelo de cuidador de carros, e comerciantes que vende estes cartões a preços absurdos, ou sem contar quando não acha quem venda, quando viramos as costas pronto, multa!!

  9. Aconteceu algo parecido comigo. Como não encontrava um estabelecimento que vendia EstaR proximo ao local estacionado…fui andando até encontrar um. Comprei o EstaR fui onde precisava ir e quando volto pro carro tem uma notificação. Proximo tinha o veiculo da guarda de transito. Mostrei o comprovante e a notificação que tinha uma diferença de 1 minuto e eles levaram os dois e disseram que ia resolver meu caso!!! Resultado: uma bela multa!

  10. Tudo errado! Quem libera comercio em araucaria ta loco.Pode fazer grudado na rua com o minimo e as vezes nem isso de calçada,sem nenhum estacionamento,com estacionamto todos na rua e com toldo ou puxadinho na rua.As vezes terreno de esquina dai o pedreiro q nao entende faz um alinhamento reto,ao inves de arredondado e nao acontece nada.Na santa catarina c/ archelau aqueles comercios de la sao uma brincadeira,inclusive na s.catarina alguem deles que pintou as faixas na rua de amarelo.Na miguel bertolino uma professora um dia fez um segundo portao porem na frente é estacionamento,simplemente pegou tinta amarela e fez uma faixa.Falou que ia ser comercio,mas foi embora,nada de comercio e nem de nada e a faixa continua

  11. Na mesma esquina a revenda de carros ali no sinal coloca os carros deles na rua,a quitanda ali perto as vezes da vontade de comprar mas nunca tem estacionamento pois todas as vagas estao lotadas desde 8 da manha

  12. Esse urbanismo nao faz nada!Cheio de marajas do dinheiro publico ali que pouco fazem.O que aconteceu com aquela historia que a prefeitura iria notificar os donos de terrenos na cidade que nao cuidam e nao cercam o seu?Pois aberto de facil acesso vira deposito irregular de lixo,pois o povo mal educado nao respeita mesmo.Vindo o verao vem essa historia de limpar tudo denovo pois podem acumular agua mas se nao houver a notificação para os terrenos particulares o orgao publico vai ficar correndo atras do rabo pois limpam,jogam denovo e isso nao sai barato pra prefeitura q na verdade é nosso dinheiro

  13. Facil solucionar isso é trabalhar pesado.
    Como?
    1)Notificando os terrenos particulares para cuidarem,limparem e cercarem.
    2)Fazer algo para que a população denuncie mais,por ex algum estimulo financeiro ao denunciante,enm que seja desconto no iptu ou acrescimo no iptu do infrator,quando localizado ou do dono do tereno que nao limpa e deixa sujar.
    3)Notificaçoes e multas pessadas ao infratores pois isso acontece devido a sensação da impunidade
    4)Esse é bem mais dificil,coibir pessadamente as invasoes irregulares pois sao eles,em grande numero que nao respeitam as leis e que sao os porquinhos por nar ter conhecimento das coisas ou por serem bandidos mesmo.Pois quem invade um terreno que nao é seu,passando por cima de outro ou do estado,bandido é

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.