Início / Colunas / Waldiclei Barboza / Foquemos nas prioridades

Foquemos nas prioridades


Não há dúvidas de que um dos assuntos que mais rendeu nos últimos dias em Araucária foi a decisão da Prefeitura de fechar um retorno construído no ano passado pela mesma Prefeitura em certa altura da avenida Manoel Ribas.
Salvo algumas exceções, a grande a maioria das pessoas criticou o fechamento do contorninho. Mais do que isso, enxergou na decisão uma possível manobra de quem comanda o Município para dificultar o acesso a um posto de combustíveis que fica bem ali e pertence a um concorrente seu, já que, como se sabe, o prefeito é dono de um posto de combustíveis.
A Prefeitura, obviamente, desmente essa versão. E nem poderia ser diferente, já que admitir que o objetivo foi esse mesmo caracterizaria um crime, pois um gestor jamais poderia movimentar a máquina pública para fazer algo que só beneficiasse a ele.
Otimista que sou, fico com a versão oficial, de que o retorno foi mesmo fechado por questões de segurança, muito embora desde sua abertura não tenha sido registrado ali nenhum acidente.
Embora engula a versão oficial, me preocupa o modo como a gestão que acaba de assumir a Prefeitura está elencando suas prioridades. Digo isso porque, convenhamos, fechar um retorno não deveria ser uma das primeiras medidas que uma administração que nasceu cercada de tantas esperanças deveria tomar.
Não cola também a versão de que o fechamento do retorno faz parte de um plano mais amplo de reestruturação do sistema viário do Município. Isso porque, com duas semanas de mandato, é impossível que um governo tenha planejado um “amplo plano de reestruturação do trânsito”. Ainda mais quando se tem um secretário de Urbanismo, responsável pelo setor, que sequer conhece Araucária direito. Que mora em Curitiba e precisa colocar o endereço da Prefeitura no GPS para não se perder no caminho de casa para o trabalho.
Hissam precisa tomar cuidado para não achar que pode fazer o que bem entender só porque saiu das urnas com um capital político jamais visto na história deste Município. O prefeito precisa utilizar esse capital político invejável para fazer com que Araucária avance. E avançar, obviamente, passa por reestruturar o transporte coletivo, como ele vem – na prática – fazendo. Passa por diminuir a quantidade de cargos em comissão, como – na prática – ele vem fazendo, mas passa por muitas outras coisas que até agora não ficou bem claro como ele vai fazer para resolver.
É claro que seria injusto cobrar-lhe muito mais do que ele já fez em tão pouco tempo de governo. O saldo para um mês de governo é muito positivo. E precisamos dar tempo para que ele trabalhe. Dar esse tempo, no entanto, não é ficar quieto diante dos erros que eventualmente ele cometa. E, sem dúvida, o fechamento do retorno da Manoel Ribas, foi sim um erro.
Comentários são bem vindos em www.opopularpr.com.br! Até uma próxima!

10 comments

  1. Ainda veremos perseguição e retaliação, contra funcionários públicos que optaram por outros nomes na eleição, se é que já não está acontecendo. Ficar de olho.

  2. Vamos ver se vai arrumar aquela lombada também, tão mal feita!!!

  3. O prefeito foi no mínimo infeliz em sua decisão, pois além de mostrar claramente que ele vai perserguir quem não está de acordo com sua administração. Ele provou a população que o que interessa é seu próprio bem estar ao fechar um retorno recém construído ele jogou pelos ares a ideia de um governo para o povo, com tanto burraco nas ruas ele optou por gastar dinheiro e mão de obra em algo que em.nada afetava o dia a dia dá população, ou melhor até facilitava a vida de quem por ali passasse.

  4. Muito bom o artigo. Pensei que eu estava “vendo coisas” quando soube do fechamento do retorno bem na frente do posto de combustíveis… na época foram abertos por interesse de um e agora fechado por interesse de outro…

    Outro ponto importante: difícil falar em segurança como princípio para o fechamento dos retornos pois nessa mesma Avenida Manoel Ribas, onde existiam os retornos, foram retiradas duas lombadas bem na pislta sentido Centro-Bairrro, que é uma descida e com certeza os motoristas vão “fincar” o pé agora que o caminho está livre.. tenho impressão que logo vai dar zebra….

    E por falar em lombadas, mas sem achar que estou “viajando” demais: serão retiradas 30 lombadas das ruas do município… eu já vi 5 serem retiradas: duas na Manoel Ribas, uma na Vital Brasil bem numa curva e outras duas na marginal da Rodovia do Xisto (bem na marginal que você tem acesso ao viaduto da entrada da cidade). Agora a pergunta: será que carros importados são tão baixos que raspam nas lombadas? Isso é mais importante que a segurança da população?

    Temos outras prioridades em vez dessas que estão fazendo nesse momento… eu fui um dos araucarienses que depositou confiança nas urnas para o atual Prefeito… espero que ele faça valer a confiança que todos os Araucarienses depositaram nele.

  5. Assino embaixo! E acho que todo secretário, diretor geral deveria ser morador de Araucária! Tem muitos que no fim do expediente voltam para suas casas em Curitiba e mal sabem o que ocorre na vizinhança aqui na nossa cidade! ùnico lugar que conhecem na cidade é a cadeira da prefeeitura onde trabalham!!!

    • Verdade os caras nao brigam pelo municipio,se der deu se nao,nao vou brigar com bandido ou sofrer a dor de cabeça da lei com processos demorados.Sendo que muita coisa acontece final de semana ou depois das 5,dai nao tem ninguem pra ver.E nao me digam que a guarda vai porque nao vai.

  6. Tambem acho o fato de colocar secretarios de curitiba que nem conhecem araucaria um erro muito grande,como foi citado acima.Mas nao somente urbanismo,tambem saude e obras.Essas 3 acredito que seja fundamental pelo menos conhecer o municipio muito bem

  7. Não vejo erro. O local é perigoso, os retornos estão EXTREMAMENTE um em cima do outro e na porta do posto. Indo sentido centro não tem visão clara de quem vem sentido centro/bairro. Só haveria sentido se estivessem afastados, com maior espaço para aguardar o retorno (fila de espera) e se os demais retornos estejam fechados. Não tenho certeza, mas não cabe mais que 3 ou 4 carros esperando para fazer o retorno sem atrapalhar a faixa da esquerda. Nosso trânsito cresceu e as carroças mudaram.

  8. Não só de Curitiba. O secretário da saúde é de Campo largo. Deve ter sido bom secretário? perdeu eleição pra prefeito, depois pra deputado. Não deu certo aqui porque é solução pra araucaria? eh política brasileira

  9. O Drama do Retorno
    Vários foram os comentários e posicionamentos a respeito da interrupção do retorno. Mas nenhuma menção ao oque de fato ocorreu antes do fechamento de tal retorno senão vejamos:
    1 – A rua não possui a retorno antes da dita instalação do Empreendimento de Família Oligarca Araucariense.
    2 – Tal oligarquia, conseguiu em tempo recorde, uma Licença Ambiental no IAP para instalação e operação de um Posto de Combustível As margens de um curso d’água a míseros 4 metros de uma APP (Área de preservação Permanente) protegida por Lei. Sem estudo de impacto de vizinhança uma vez que empreendimento é em via pública de grande circulação e que mesmo antes do empreendimento já tinha sinais de estrangulamento do transito em função de outros empreendimentos essenciais a comunidade: Escolas ( COC e BJ e instalação da Escola Adventista) completo descaso ao art.5º da resolução Conama 273/200 item c.
    Nenhum fato destes foi analisado seja pelo IAP, pela Secretaria do Meio Ambiente, e tampouco pelo, conivente promotor do MP-PR em Araucária.
    Aqui cabe uma observação fato já mencionado no Próprio Jornal O Popular:
    Quanto a isso é fato que o MP do PR representado em Araucária pelo Promotor João Carlos Negrão, é conivente com a Situação já que se cala se omite e talvez até com recebimento de propina, ao desabamento de casas no Loteamento Torres erguidas sobre uma nascente ( APP também protegida por lei) em beneficio de Oligarcas do Município.
    3 – Não bastasse a obtenção da referida licença seria de se esperar que, IAP, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e MPE conivente, requeressem minimamente a nobre oligarquia uma contrapartida para a obtenção do referido licenciamento ambiental. Legalmente chama-se medida mitigadora ou compensatória.
    Se a nobre oligarquia fosse honesta, teria ela mesmo realizado a obra e também a sinalização da via em seu empreendimento sem se utilizar do dinheiro do contribuinte. Se a nobre oligarquia fosse honesta acataria o fechamento e sentaria não com a Prefeitura mas com o IAP e em conjunto apresentaria a Prefeitura proposta para implantação de retorno beneficiando seu empreendimento oque automaticamente seria legalmente acatado pela secretaria de obras.
    4 – Este retorno não é prioridade para nenhum cidadão de araucária. Se fosse existiria a muito tempo.
    5 – Quanto ao secretário ser de Curitiba vamos ser objetivos: O comércio em Araucária é sem ofensas incipiente, poucos araucarienses compram aqui, preferem ir até Curitiba. Nada mais natural e equânime, que também o executivo se faça valer da proximidade da capital para procurar lá oque os próprios munícipes já fazem: competência, preço justo e qualidade.
    Bem, esclarecidos os fatos temos então de supor diante das várias posições a favor e também contra a nobre oligarquia que:
    Ou fica convencionado entre todos, em Araucária que, sempre que alguém abrir um negócio seja ele comercial industrial ou de serviços em Araucária cabe a Prefeitura sinalizar fazer retornos e se responsabilizar pelo “negócio” e acatar a opinião do empreendedor . Desta forma em breve teremos o caos ou oque já ocorre, o esvaziamento dos cofres com obras para meia dúzia de famílias oligarcas.
    Ou todos nos calamos e acatamos a lei pois, o retorno foi feito pela prefeitura provavelmente sem nenhum estudo de tráfego, motivo pelo qual pode ser a qualquer momento modificado interrompido ou desfeito cabendo somente a prefeitura e aos munícipes o poder da decisão e o ônus do custo, se os munícipes elegeram o prefeito estão de acordo com isto. Desta forma cabe a família oligarca ir até o IAP, a Secretaria de Meio Ambiente, e de Planejamento e a suas expensas ( já que o contribuinte, eu, não sou dono de posto de combustível) propor um retorno e até mesmo sinalização e talvez até se for o caso, uma pista de desaceleração para os contribuintes que entram e saem do posto circularem com segurança. Esta seria a atitude mais honesta destes oligarcas mas, não, oque fazem é chorar e com certeza não irão parar aí, já devem estar abrindo processo para a prefeitura com o meu dinheiro(sou contribuinte) reabrir famigerado retorno .
    Em resumo ora bolas vamos falar de assunto sério, construção de escola, melhoria de transito, melhoria nas UPAS e deixar o Sr. Fialla que cuide de seus problemas ele nunca baixou um centavo o preço de seu combustível e tem ainda quem vá a jornal e em rede social defende-lo? Isso é falta do que fazer. O Sr, Fialla nunca foi na rede social e em nenhum jornal para defender o povo de Araucária nem ele nem seus defensores.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*