Quando iéu fói preparar janta percebéu qui as lata donde iéu guardando os pedaço de pórco na banha no finzinho estando, déu ansim prumas duas fritada, na hora estando de iscolher um dos pórco roncador pra virar lingüiça e toicinho, cortar nos pedaço e enchér quinze lata de carne na guardada na banha. Fói no chiqueron pra vér qual o pórco da véis, o malhado tava lá deitadon e ném de pé cunsiguindo ficar de ton gordo, como é que iéu vai alevantar um animal destes sozinho? Pra non ter que pagar para camarada ajudar resolvéu pegar o cachaço, mais iéle tava de corbertura com uma porca, como é que iéu vai estragar um moménto de amor suíno? Enton fói pro branquinho, engatô corda nos pescoço, porco póco se segurando, non queréndo sair do chiquéron, quando iéu viu aquéles zóinho do pórco, zoiando prós meus zóio como se implorando viver mais um poço na vida de porco, déu um aperton no coraçon que inté uma gotinha de lágrima escoréu na cara, iéu se sintindo que ném carasco, vendo branquinho com corda nos pescoço, Que Diabo!!! Se ansim pensando iéu non vai cunsiguir carniar ninhum porco e sém carne pra dois méis ficando. Já que carasco virando, ponhô saco de batata na cabéça pra nada enchergar, pélo ménos coraçon num ficando doído despóis que facon enfiar no coracón do porco. Saiéu coréndo detrais dos pórco solto no teréro e sendo o que Déus quizér, priméro que pegando vai mésmo virar linguiça!! Cinco minuto passando, despóis de duas cabeçada no palanque, quatro trupicada e dois tombo, finalménte um dos pórco debaixo do braço estando. Non déu muita bola pro grito do pórco e já qui nada vendo procausa do saco enfiado na cabéça, de cónta fazéndo que vai brigar com onça e facon enfiando. Prendeu pórco no paiol, mais duas cabeçada, tréis trupicada e quatro tombo, quando pórco pegando pra amarar as pata percebéu qui pórco que pegando iéra o cinzento manco, que iéu viu nascer, meio alejado ficando proquê perna engatando na pórca que pariu e com todo cuidado do mundo iéu desingatando. Iéu cuidando da perninha machucada, ponhando tala feita de taúba, déu remédio pra dor, levando pra drénto de casa pra se aquecer debaxo do fogon de lenha, déu mamadéra com leite de vaca por iésto que iéle mudo ficando, non sabendo roncar , quando tentando só mugido saiéndo. Com é que iéu vai matar pórco que inté com filho parecéndo? Iéu Arancando saco da cabéça, disamarando as perninha do pórco e inté bejinho na testa do pórco iéu dando quando soltô. Mais com sendo que iéu vai viver sém comér carne de pórco se matar criaçon non cunsiguindo? Fói debaxo de colchon, pegô maço de pinhonze e fói pra cidade comprar dezaóito quilo de lombo embalado e quinze quilo de banha no mercado, pelo menos com iéstes porco estranho do frigorífico iéu non tém ninhuma relaçon de familia. Desgracéra Mésmo!!!

 

Publicado na edição 1122 – 19/07/18