Home / Notícias / Geral / Meio Ambiente está tendo um trabalhão para retirar algas do lago

Meio Ambiente está tendo um trabalhão para retirar algas do lago


As plantas que tomaram conta do lago do Parque Cachoeira estão dando uma grande dor de cabeça para a Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Há quatro dias uma equipe de 10 homens realiza um verdadeiro trabalho braçal para remover as chamadas algas ou alfaces d’água. Este foi a única alternativa encontrada até o momento, já que as demais opções não seriam viáveis.


Segundo a SMMA, foi cogitada a hipótese de limpeza através de tratores hidráulicos, porém, não iria dar certo porque o lago não tem profundidade suficiente. Outra opção seria o uso de química, jogando um produto para matar a planta, mas poderia causar danos ambientais, já que o lago está dentro de uma reserva natural. Também se estudou a possibilidade de uma intervenção biológica, onde seriam utilizadas “larvas”, que comeriam estas plantas aquáticas, porém, há o risco de elas comerem outras espécies.
A secretaria comentou ainda que o trabalho manual será estendido até a próxima sexta-feira, dependendo das condições climáticas. Caso a limpeza não traga os resultados esperados, a possibilidade de uma nova intervenção será novamente analisada.

Destinação das plantas

Ainda de acordo com a secretaria, aproximadamente 15% das plantas foram retiradas até agora, e por se tratar de uma vegetação densa, a impressão é de que o serviço não está dando resultado. O material retirado do lago está sendo armazenado em um observatório, para secagem e redução de volume. Isso porque a empresa que faz o transporte para aterros e outros locais onde é feita a destinação correta, cobra por peso, e se as plantas forem levadas agora, vão gerar um custo mais alto.
dentro do trabalho de limpeza do lago, o Meio Ambiente também fará uma análise da qualidade da água. As primeiras amostras serão coletadas no início da próxima semana.

O lago que fica dentro do parque foi praticamente tomado por algas, que encobriram toda a água, deixando o local com o aspecto de um grande gramado verde. A questão é que a situação está gerando preocupação, pois traz risco de acidentes para quem não conhece bem o parque, uma vez que é fácil alguém se confundir com grama e acabar caindo na água.

Conforme o secretário municipal do Meio Ambiente, Vitor Cantador, o fenômeno de proliferação de algas em águas mais paradas é conhecido como eutrofização. “A oferta do nitrogênio e fósforo nas águas acontece de diversos modos, quando provocada pelo ser humano, que é o caso do lago do parque, é proveniente de esgotos domésticos, onde os nutrientes são encontrados nas fezes, urinas, restos de alimentos e detergentes, e ajudam essas plantas a crescerem e se proliferarem de forma rápida”, explica.

Vitor disse que as algas começaram a aparecer há cerca de duas semanas, e que a secretaria começou a removê-las manualmente, porém, o trabalho não está apresentando resultados. “Vamos utilizar maquinários para remover as algas, e vamos aproveitar para fazer a drenagem do lago. Caso chova forte, a própria água da chuva poderá ajudar, empurrando as algas para fora do lago. Depois teremos que dar uma destinação final para estes resíduos”, esclareceu o secretário.

Ainda de acordo com ele, será feita uma análise da água do lago, para saber qual o grau de poluição. “Já retiramos muito lixo do lago, por isso é importante que as pessoas também se conscientizem e nos ajudem nesse trabalho”, orientou Vitor.

Texto: Maurenn Bernardo

Foto: Jornal O Popular

Publicado na edição 1196 – 23/01/2020

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*