Início / Colunas / Editorial / Não é só contra o racismo. É a favor de Araucária!

Não é só contra o racismo. É a favor de Araucária!


No próximo domingo, 4 de fevereiro, o Fórum de Combate ao Racismo de Araucária promoverá um ato em frente ao Parque Cachoeira, bem ali em frente ao muro da vergonha, que dia desses foi pichado com frases racistas e nazistas por um ou mais bandidos (não se sabe ainda se o ato foi praticado por um sem noção ou vários deles). Leia matéria nesta edição.

O ato, mais do que qualquer outra coisa, é uma possibilidade que se está dando a todo cidadão decente desta cidade, seja ele negro, branco, polaco, pardo, índio ou qualquer outra cor que tiver sua pele, deixar claro para quem quer que seja que, na terra dos briosos tinguis, não há espaço para qualquer tipo manifestação que não seja aquela que defenda verdadeiramente a igualdade em todos os seus aspectos.

O ato do próximo domingo é um ato em favor de Araucária, uma cidade nascida pelas mãos de imigrantes poloneses, mas que muito antes disso já abrigava aqui índios e, posteriormente, povos descendentes das mais diferentes raças. E, mais do que isso, esta cidade foi e ainda é forjada por migrantes das mais diversas regiões deste país, que – atraídos pela chegada da Refinaria Presidente Getúlio Vargas na década de 1960 – e posteriormente a cada nova parada e nova indústria que aqui se fixou, escolheu nossa terra para residir e constituir família.

Por tudo isso, é vital que todos nós – na medida de suas possibilidades – participe desse chamamento contra o racismo e a favor de Araucária. E, ao contrário, dos covardes que – apesar de não gostarem de negros – fizeram uso da escuridão da noite para praticar essa violência sem serem vistos pelos araucarienses de bem, o ato do final de semana acontecerá no dia e horário que tradicionalmente é tido como aquele momento de estar com a família: domingo à tarde. Então, pegue a sua família e vá para frente do Parque Cachoeira ajudar a transformar o muro da vergonha em muro do respeito! Boa leitura!

 

Publicado na edição 1098 – 01/02/2018

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*