Home / Colunas / Notas Políticas / Notas Políticas – Edição 1215

Notas Políticas – Edição 1215


Sem tomógrafo

Já em funcionamento há mais de uma semana, o Pronto Atendimento COVID só deve ter um de seus equipamentos mais importantes à disposição dos pacientes a partir de hoje (4) ou amanhã (5). Estamos falando do bendito tomógrafo, que já havia atrasado em alguns dias a inauguração do espaço.

Transformador

Já instalado no local desde a abertura de portas, o tomógrafo não pode ser utilizado porque faltava um transformador de energia. A peça só foi entregue nesta terça-feira, 2 de maio.

HMA

Com as portas abertas e sem tomógrafo funcionando, pacientes que procuraram o PA COVID e que precisavam de uma tomografia do pulmão eram encaminhados ao Hospital Municipal de Araucária (HMA) e depois trazidos novamente ao antigo NIS.

Sorte

Araucária, é preciso dizer, é também uma cidade de sorte. Por aqui ainda não tivemos óbitos causados pelo novo coronavírus. Casos com agravamento também foram poucos.

Precaução

Embora estejamos com sorte, também é preciso pontuar que a Secretaria de Saúde tem se desdobrado para oferecer suporte adequado para a comunidade local que eventualmente seja diagnosticada com a COVID-19. Essa combinação de sorte com ação tem dado certo por enquanto.

Desceu do toco

Tido como uma pessoa afável e não acostumada a ir para o enfrentamento direto, o advogado Gustavo Botogoski (PSL) desceu do toco na semana passada. Já em pré-campanha à Prefeitura de Araucária, deixou clara essa condição em vídeo divulgado em suas redes sociais.

Oposição

Na mensagem deixou claro que é oposição ao prefeito Hissam Hussein Dehaini (Cidadania), de quem já foi candidato a vice em 2012 e secretário de Agricultura na atual gestão, tendo a esposa como diretora geral da Secretaria de Saúde em outra parte do mandato.

Acertou

A decisão de Gustavo de descer do toco é importante para o eleitor, que até o momento estava com dificuldade em saber qual seria o papel que o advogado iria desempenhar nesta eleição. Em política não se pode passar mensagem dúbias ao eleitorado. Ele precisa saber quem é o candidato. Até então, ninguém sabia direito o que queria Gustavo. Agora, com o novo discurso, já se sabe: ele quer ser prefeito.

Errou

Se politicamente Gustavo acertou no vídeo, errou em parte do conteúdo. Dois pontos são os mais evidentes. O primeiro foi criticar a não reabertura do armazém da família, fechada no final de 2012 pelo então prefeito Albanor José Ferreira Gomes (Podemos). Isso porque Gustavo foi o secretário de Agricultura e Abastecimento durante os dois primeiros anos da gestão de Hissam. E cabia a SMAG tomar as providências para reabertura (caso fosse possível) do Armazém da Família.

Iluminação pública

Outro erro do vídeo foi tentar colocar dúvida sobre o contrato de iluminação pública que o Município possui com a Energepar, que agora está envolvida numa investigação deflagrada pelo Ministério Público em Foz do Iguaçu. Os adversários de Hissam podem falar o que for, mas questionar as melhorias que foram feitas na cidade nesse setor é o mesmo que negar que a água é molhada. E, em política, não se pode tentar colocar dúvida naquilo que aos olhos da população está dando certo.

Barato

E, aqueles que forem dar uma boa olhada nos contratos firmados entre a Prefeitura e a Energepar vão dar com os “burros n’agua”. Não se está aqui avalizando eventuais contratos que a Energepar possui fora de Araucária, mas os que estão sendo executados em nossa cidade. Inclusive, há quem diga que a empresa pode ter problemas para explicar os preços praticados fora de nossa cidade justamente em razão dos valores vigentes aqui no Município. Em Araucária não há gordura.

Menos um

O empresário Eliceu Palmonari desistiu de fazer política em Araucária. Depois de algumas eleições com desempenho abaixo do esperado, ele optou por se colocar à serviço de outro município. Tentará se eleger em Siqueira Campos. Se tudo der certo será candidato a prefeito lá.

Faleceu

Maria Elena Ribas Pimpão, que por muitos anos atuou como tabeliã do Cartório Pimpão em Araucária, nos deixou na última segunda-feira, 1º de junho. Ela, que chegou a se enveredar pela política sendo candidata a vice na chapa que tinha Rizio Wachowicz como candidato a prefeito, faleceu em casa, aos 77 anos. Nossos sentimentos a toda família e amigos.

Faltantes

A sessão plenária da última segunda-feira, 1º de junho, contou com três ausências: Elias Almeida (Cidadania), Celso Nicácio (PSD) e Fábio Pedroso (PL). Para os padrões a sessão foi razoavelmente rápida e sem tumultos. Poucos projetos em votação. Muitas indicações e requerimentos.

Agilizou

Sem a presença de Celso Nicácio coube a Lucia de Lima (Cidadania) a leitura de muitos dos expedientes a serem votados em sessão. Só isso já agilizou absurdamente o andamento dos trabalhos. Como dizem: nada, nada, já é alguma coisa.

Comemorando

Com a confirmação pela Justiça Eleitoral de que os eleitores aptos a votar nas eleições deste ano soma 98.748 os candidatos a vereador em Araucária já ficaram mais aliviados. Isto porque a expectativa inicial era de que os o eleitorado local ficasse na casa dos 120 mil, algo que jogaria o quociente eleitoral, que é o total de votos que um partido precisa fazer para eleger um vereador, nas alturas.

Quociente

A régua histórica mostra que, normalmente, algo em torno de 12% do total de votos é descartado. São as ausências, votos brancos e nulos. Com isso o número de votos válidos na eleição deste ano deve ficar na casa de 87 mil. Isso faz com que o quociente eleitoral seja de cerca de 7.900 votos.

Sem coligação

Nunca podemos esquecer que a partir destas eleições já não é possível mais fazer coligação partidária nas candidaturas a vereador. Com isso, cada partido terá que se virar com chapa pura para alcançar o quociente.

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1215 – 04/06/2020

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*