Home / Colunas / Isidorio Duppa / Novos trabalhos da Flortcha

Novos trabalhos da Flortcha


Flortcha minha irman vive arumando coisa pra fazer, non sei de onde vem tantas das ideia dela que sendo fraca de cabeça, uma véis se achegando com sacola de pano de prato pra fazer pintura com tinta acrilex, iéu inté dando risada falando que iéla non tendo jeito pra iéstas coisa, lambusô todos os pano com uns desenho sem pé nem cabeça, saiéu vendendo na cidade e voltando com bolsa cheia de dinheiro, iéu preguntô quem sendo o loco que comprando aquelas coisa, iela dizendo que foron os entendido em arte moderna. Otra véis ponhando na cabeça que querendo ser modelo fotográfico, iéu se partiu de dar risada, feia que um troço, magricela, chéia de verruga na cara, mais parecendo uma espiga cabeluda com sarampo, quem vai contratar um bicho feio destes. Uma tarde voltô com um checón esfregando na minha cara e dizendo que cunsiguindo ser modelo fotográfico pra fábrica soiza cruiz, pra ponhar nas cartera de cigaro. Mas desta véis iéla exagerando, onde se vendo uma polaca desajeitada, vida intera sendo empregada doméstica, sem estudo, com todas qualidade que ninguém querendo ter, inventar de ser manequim e desfilar nas passarela da moda, só pra loco mesmo. Iéu falando pra iéla que iestas moça que desfilon pras fábrica de ropa son tudo bunita, novinha, vivem nas academia pra dexar a bunda durinha, fazem curso de andar em cima de prego, gaston furtuna nos salon de beleza, só comem alface pra ficar magrinha, que iéla non tendo menor chance de concorrer com iésta gente. Flortcha que sendo cabeça dura e nunca me iscuitado nem dando bola pra iéu e dizendo que se iéla se ensaiando podendo também concorrer com as otra. Notro dia cedo já se meteu a capinar mato dizendo que sendo a academia de ginastica da roça, só comendo verdura, ficava mais de duas hora por dia andando em cima de um tronco de calípito pra trenar os passo, enchia a cara com bosta de vaca pra tratar da pele dizendo que sendo bostox, o tratamento natural, lavava cabelo todo dia com sabon de coco e passava leite de rosa no corpo intero pra queimar os cravo e as espinha, ia toda semana pra cidade numa agença de modelo pra ver se encontrava trabaio e toda veis voltando desanimada que ninguém chamando iéla pros desfile. Iéu vendo iéla daquele jeito inté com pena ficando e tentando animar dizendo que tudo os esforço que iéla fazendo non ion dexar iéla mais bunita e as fabrica non son loca de contratar gente ton feia. Mais um dia voltando tudo animada balançando contrato na mon e dizendo que finalmente conseguindo oportunidade de desfilar na passarela, iéu ficando de boca aberta e com cara caída, sendo verdade mesmo e ganhando dinheiron de uma fabrica de ropa. Chegando dia iéu fói junto dela pra non dexar iéla passar vergonha e desistir da idéia dizendo que tudo mundo indo rir da cara dela. Mas a surpresa foi que, mesmo iela andando que nem morta, com aquelas ropa preta, tudo mundo aplaudia iéla e iéla fazendo o maior sucesso e até sendo contratada pela fábrica “Alma Leve”, especializada em ropa de defunto.

Publicado na edição 1179 – 05/09/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*