A obesidade é um problema que, por si só, já é preocupante, e com a pandemia do novo coronavírus, se tornou ainda mais grave, já que os obesos estão no grupo de risco da doença. O isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem em casa, também fez aumentar os casos de ansiedade, e acionando gatilhos mentais que incentivam a busca por alívio, prazer ou recompensa com a comida. O nutricionista Márcio Ribas, formado desde 2018 pela Universidade Tuiuti do Paraná e Pós graduado em Nutrição Esportiva, observa que a ansiedade, muitas vezes, desencadeia uma vontade imensa de comer, principalmente carboidrato e açúcar, que trazem uma sensação de bem estar, porém, são vilões para o aumento de peso e da gordura corporal. “A obesidade preocupa porque é uma doença crônica não transmissível, onde os portadores têm risco maior para desenvolvimento de doenças infecciosas, formas graves de doenças respiratórias virais, e outras infecções pulmonares que se tornam mais comuns. A Covid-19 segue um padrão, que já se observa em estudos anteriores, mostrando maior suscetibilidade do obeso a ter infecções virais ou, eventualmente, bacterianas, em forma mais grave do que na população em geral. A sobrecarga de gordura também faz com que a ventilação seja prejudicada, ocasionando maior predisposição a doenças cardiovasculares e respiratórias”, explica.

Para o nutricionista, é importante que tenhamos consciência de que uma alimentação adequada deve sempre ser o nosso plano de vida, pois sabemos que o alimento é o remédio para o nosso corpo, seja em época de pandemia ou não. “A adoção de uma vida saudável é o fator principal. Evitar alimentos industrializados e pobres em valor nutricional é um bom começo, pois eles não possuem fibras, acabam não nos saciando e logo nos deixando com fome novamente. Ingerir frutas, verduras e alimentos integrais é uma boa opção de alimentos ricos em fibras, beber mais água também é uma forma de controlar a fome e desejo”, sugere.

Imunidade

Márcio ilustra que o sistema imunológico é responsável pela defesa do nosso organismo contra invasores externos, como bactérias, fungos e vírus. Disse ainda, que nesse atual estado de pandemia do coronavírus, devemos ter mais cuidado com a nossa imunidade, e algumas práticas podem ser essenciais para nos ajudar nisso. “Não existe nenhum alimento ou vitamina capaz de combater o novo coronavírus, porém, alguns alimentos que ingerimos podem fortalecer o nosso sistema imunológico. A recomendação é manter uma alimentação saudável regular, de modo que a imunidade permaneça sempre elevada. Entre os alimentos que podem auxiliar nesse processo estão os ricos em vitamina A (vegetais alaranjados e brócolis), vitamina C (frutas cítricas), selênio (peixes e frutas), zinco (carnes), ferro e proteínas (carnes e leguminosas). Iogurtes e leites fermentados têm microrganismos que também podem ajudar a estimular o sistema imunológico”, orienta.

Na busca por planejamento alimentar, o nutricionista exerce um papel fundamental. É o profissional que vai adequar o plano alimentar em cima da rotina de vida do paciente, e vai analisar qual o tipo de alimento é o ideal para ele, dentro do objetivo que será traçado no consultório. “A recomendação de ingestão hídrica, por exemplo, vai variar de pessoa pra pessoa, temos que considerar se ela faz exercícios físicos, se é atleta, mas para um ser humano normal, a recomendação é de 30ml por kg de peso. Além do plano alimentar individualizado, o nutricionista deve contribuir para as medidas de segurança que vêm sendo determinadas pelas autoridades sanitárias e zelar pela excelência da assistência nutricional e dietoterápica prestada aos pacientes”, pontua.

Serviço

O nutricionista Márcio Ribas possui consultório próprio em Araucária e também atende na Clínica Rejuvenescendo Faces, em Curitiba. Para agendamento de consultas, entre em contato pelo fone (41) 99793-7125, ou pelo Instagram @nutriribas.

Texto: Maurenn Bernardo

Foto: divulgação

Publicado na edição 1224 – 06/08/2020