Início / Colunas / Editorial / O mundo real na escola

O mundo real na escola


O mundo em que vivemos tem mudado com uma rapidez cada vez maior e de maneira cada vez mais intensa. Num instante as coisas ficam ultrapassadas, o novo já não serve e logo vem “outro novo”. Os pais que não estiverem atentos a essas reviravoltas correm o risco de se desconectar dos filhos sem nem saber qual foi à causa. Empresas que não se reciclam e não conseguem ajustam seus produtos com a rapidez necessária a esses novos gostos irão desaparecer sem nem perceberem o que aconteceu.

Essa inquietude das coisas obriga todos a se adaptarem a esse mundo diariamente novo. E, nesse quesito, ninguém é mais preparado para essa revolução diária do que os jovens. Eles parecem já vir equipados de fábrica com essa capacidade. Quanto mais novo, mais fácil se ajusta às novidades.

E, o grande desafio do restante da nossa sociedade parece estar em fazer o novo conviver com aquilo que já existe, não deixando que se desconectem e, mais, que construam o futuro juntos.

Por isso é tão legal a iniciativa das autoridades de colocar em prática o projeto Cidadania e Justiça Também Se Aprende Na Escola (veja reportagem na página 6 desta edição). Juiz, promotor e advogados foram a escolas municipais mostrar que eles não existem apenas no papel, nos livros que explicam como funcionam os poderes e nossa estrutura administrativa do país.

Isso dá oportunidade às crianças de conhecerem pessoas de carne e osso que ocupam esses cargos tão importantes, capazes de decidir o rumo das coisas. Por conta de precisarem ser escolhidos pela população por meio do voto os políticos (prefeitos, vereadores, deputados) são figurinhas repetidas e todo mundo sabe o nome. Mas e o juiz, quem é? Para que serve um promotor? Qual a função de um advogado?

Pode parecer uma simples visita, mas, pelo menos nos locais onde essas autoridades estiveram, essas crianças irão levar consigo um ponto de vista um pouco diferente desse mundo que estão mais do que conhecendo, que estão construindo. Pense nisso e boa leitura.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*