Home / Colunas / Sismmar / O serviço público de Araucária pede socorro

O serviço público de Araucária pede socorro


A pandemia de coronavírus mostrou que os serviços públicos, como saúde, educação e assistência social, precisam de maiores investimentos por parte dos governos. Mesmo assim, muitos prefeitos e governadores, além de Jair Bolsonaro, continuam compactuando com o desmonte dos serviços e atacando os trabalhadores.

Em Araucária, no momento em que a população mais precisa dos servidores públicos, a gestão Hissam opta por atacar os direitos da categoria. No dia 22 de maio, em reunião com os sindicatos que representam o funcionalismo público municipal, que está há 8 anos sem aumento real no salário, o prefeito negou um reajuste de 2% para este ano.

Além disso, Hissam se aproveita da pandemia para dar um calote na Previdência dos servidores com regime próprio. Nesta terça-feira (16), a Prefeitura encaminhou um projeto de lei para a Câmara Municipal que visa suspender o pagamento da alíquota patronal até dezembro deste ano.
Com essa tentativa de calote do prefeito, cerca de R$ 23 milhões podem não ser repassados ao Fundo de Previdência Municipal de Araucária (FPMA). O projeto tramita na Câmara em regime de urgência, enquanto os próprios representantes do Fundo denunciam que o projeto sequer chegou a ser discutido com a entidade.

A população de Araucária já não pode mais aceitar essa gestão, que trata os serviços públicos com extremo descaso e que, em vez de promover uma política séria de combate à Covid-19 para proteger vidas, aproveita-se da crise sanitária para atacar direitos conquistados através de muita luta pelos trabalhadores.

O caminho que Hissam trilha em Araucária é o mesmo caminho que Bolsonaro segue no Executivo e que está afundando o país em uma crise sem precedentes. É urgente que o prefeito mude de postura e comece a trabalhar para o povo, o que inclui investir nos serviços públicos e valorizar o trabalho dos servidores municipais.

São os servidores da saúde que hoje estão na linha de frente de combate ao coronavírus. São os professores da rede pública que hoje estão fazendo o que podem para minimizar todas as dificuldades do ensino à distância. São os trabalhadores do serviço social que atendem as pessoas em situação de vulnerabilidade social, entre tantos outros serviços fundamentais à população. É inaceitável que o governo Hissam ataque os direitos desses trabalhadores.

Neste momento, o Paraná sofre com o aumento expressivo no número de contaminados por coronavírus e com o possível colapso no sistema de Saúde. Em Curitiba, 85% dos leitos de UTI já estão ocupados. Em Araucária, 2 pessoas já morreram de Covid-19 e 197 testaram positivo para a doença até quarta-feira (17).

O que o prefeito e sua equipe vão fazer para proteger a população? A proposta para combater essa crise é atacar os direitos de quem trabalha na saúde, educação, assistência social e segurança? Os servidores de Araucária não vão aceitar pagar essa conta!

O SISMMAR segue firme na luta por nenhum direito a menos e conta com o apoio da população para defender os serviços públicos do município!

Publicado na edição 1217 – 18/06/2020

Sobre Redação

Redação

10 comments

  1. Avatar

    Mas aquilo é uma zona mesmo! Fora a saúde, segurança e educação, o pessoal que trabalha no IPTU, ISS por exemplo, parece que tá de enfeite lá! Pessoal da Fiscalização então só fica no facebook e no café o dia inteiro! Isso desde a gestão passada… Depois que trocou a equipe lá virou uma droga o atendimento…

  2. Avatar

    A pandemia afetou todos os setores, trabalhadores estão com redução de salário e uma grande parte foi demitida, o interessante é que o funcionalismo público não pode sofrer nenhuma redução que faz o maior escândalo, são privilegiados.
    Quem paga estes salários e previdência do funcionário público hoje está passando fome.

    • Avatar

      E quem fez isso com eles querem colocar denovo.O tal do zé da rua estanislau grebos.É isso,nao é saude e educação sao so penduricalhos durante esses quse 30anos

  3. Avatar

    Fiscais nao tem ne?Nao tinha antem imagine agora eles “trabalhando” remotamente ou em alternacia.E sao os primeiros a dizer para folgar ou trabalhar remotamente para envaziar e evitar aglomeração mas vai ver tao na praia,jogando futebol e em shopings se aglomerando.E os advogados da pgm?Nao pode trabalhar por causa da pandemia aqui na pma mas estao la nos seus escritorios la na capital,dai pode.

  4. Avatar

    Sabe o que é tambem?É que nesses ultimos anos(+_7 anos) aumentaram tanta a burocracia que requer muita gente mesmo.Entao atenção proximo prefeito desburocratizar tudo isso urgente e dai esses que sobrarem serao os fiscais

    • Avatar

      Mas vai mandar embora como se têm estabilidade??? Não deviam nem ter contratado

    • Avatar

      Sabe porque tanto funcionario?Porque a prefeitura tem que realizzar serviços que nao precisaria ser feito se tivessemos uma população de gente.Limpar rua ou fiscais de rua pra que?A demanda é gerada por pessoas porquinas da sociedade dai tem que fazer e dai tira dinheiro de outras areas bem essenciais tipo saude e educação

      • Avatar

        Nada a ver. Cabidão de emprego mesmo… Contrataram um monte de analista que depois viraram auditores sem concurso novo, lá dentro na canetada só pra ganhar mais sem fazer nada

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*