Início / Colunas / Isidorio Duppa / O vendedor de rosas

O vendedor de rosas


Das véis iéu ficando pensando que podendo fazer pra ganhar mais uns trocado, iéu caminhando de um lado pra otro pra ver se no caminho encontrando alguma ideia, foi caminhando pela horta e única coisa que vindo na cabeça sendo vender as cabeça de repoio, mais se vender os porco ficon sem janta. Foi caminhando pelo pasto e única coisa que acontecendo foi pé sujando de bosta. Foi caminhando pelo jardim e única coisa que acontecendo sendo espinho da rosera que engatando na camisa, enton desengatô espinho e acabando percebendo que rosera tando a coisa mais linda do mundo, as rosa tudo aberta inté parecendo que estando sorindo, enton pensando que iélas estando ansim pra dexar as pessoa feliz. Veio nas veneta enton idéia de vender a rosa pra floricutura da cidade e ganhar uns trocado. Iéu pegando tisora de aparar grama, se meteu nos espinho da rosera e foi coiendo rosa, arancando os espinho e dexando um talo duns cinquenta centímetro, ponhô tudo num balde com água e notro dia se carcô pra cidade fazer uns troco. Foi na floricultura e moça dizendo que non podendo comprar porque só podendo comprar flor com certificaçón e com nota fiscal, que as flor caipira non tendo padrón de qualidade e só sirvindo pra enfeitar cemitério. Desgracéra Mésmo!!! Foi enton no porton do cemitério pra tentar vender as flor, torcendo pra que se achegasse alguma viúva fresca que querendo dexar flor pro finado, mas nem iésto acontecendo, iéu ficando plantado por mais de duas hora e único movimento sendo duma tropa de cachoro detrais de uma cadela no cio. Enton pensando ir nestes salon de beleza vender flor pra aqueles estranho que son chamado de florzinha, mais única coisa que ganhando sendo umas duas piscada de zoio. Enton pensando em achar uns casal de namorado e perguntar se namorado querendo dar rosa pra namorada, mais dos dois casal que encontrando, nenhum deles descolando os beiço e nem dando atençón pra iéu. Já estando tarde, e sem vender nenhum boton, estando ton desanimado que pra non voltar com a rosa pra casa e non jogar as rosa numa valeta, iéu resolveu dar uma rosa pra cada mulher que aparecendo na frente. Primera que vendo sendo uma morena que sentada no banco da praça, quando iéu ofereceu rosa pra iéla os zóio dela brilharon, iéla pegando rosa, se alevantando e me dando um abraço bem forte e dizendo que sendo a melhor coisa que acontendo com iéla no dia. Depois entregô rosa pra uma gordinha que estando andando afobada, muiér parando, recebeu rosa, e ficando com cara tudo rosada e me lascô um bejon no meu rosto. Depois entregando rosa pra uma lora que estando digitando no cebular, lora ficando que nem estauta, me zoiô no fundo dos zóio e pulando no meu pescoço agradecendo carinho. Ansim distribuiu balde intero e cada rosa resultando numa manifestação de agradecimento, num soriso, numa lágrima, num abraço e num bejo. Quer pagamento melhor pelo meu trabaio de vendedor de rosa?

Publicado na edição 1222 – 23/07/2020

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*