Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Orar sem cessar

Orar sem cessar

A história da viúva que todos os dias batia à porta do juiz para que fizesse justiça, demonstra a paciência e a persistência em nunca desistir, mesmo diante das inúmeras dificuldades e adversidades. O juiz não temia a Deus e nem se importava com a dor da mulher, já tão discriminada pela sociedade da época, porque era viúva. O juiz não quis atender aos insistentes pedidos da viúva, mas depois, cansado de ser importunado, um dia decidiu resolver o caso. Com a sua insistência, a mulher obteve o que queria: conseguiu dobrar o seu coração. Se o juiz malvado acabou por atender os instantes pedidos da viúva, com certeza Deus escutará o pedido dos seus eleitos que clamam por ele noite e dia.


É preciso rezar sempre, sem cessar. A oração é o grande meio para não perder a fé, mesmo nos momentos mais dramáticos, quando tudo parece conjurar contra nós e contra o Reino de Deus. A oração autêntica consiste em manter-se constantemente em diálogo com o Senhor. Não devemos tomar nenhuma decisão sem ter conversado com ele. A oração que brota de um coração sempre aberto e pronto para fazer acima de tudo a vontade de Deus. Os grandes homens, os santos, sempre buscaram em suas vidas ser fiéis aos apelos de Deus. O próprio Jesus, na hora mais dolorosa da sua existência, bradou em alta voz: ‘Pai, que se faça a tua vontade e não a minha’.

O papa Francisco, homem de profunda oração, formado na escola inaciana, pede sempre que rezemos por ele. Pedir oração é reconhecer-se pequeno, humano, frágil, limitado, necessitado da proteção divina. A oração ajuda o outro a manter-se em pé, e nos torna mais fortes, pacientes e persistentes porque sozinhos somos incapazes de superar todas as adversidades da vida. São Vicente de Paulo continuamente repetia: ‘Dai-me um homem de oração, e ele será capaz de tudo’.

Precisamos aprender a rezar, para que se faça sempre e em tudo a vontade de Deus, e não a nossa. A oração dos fariseus não era agradável a Deus, pois julgava e condenava os pecadores. Rezar é deixar Deus falar em nossa vida, e quando Ele nos fala, nos aponta o caminho e a direção a seguir. O culto que agrada a Deus é o amor, a misericórdia, é fazer o bem, do contrário, esta oração é falsa e mentirosa. Rezar e depois odiar, dividir, falar mal do outro, julgar e condenar, é na verdade, uma grande contradição. A verdadeira oração nos leva a amar o outro, a lutar pela justiça, a fazer o bem, acima de tudo, não importa a quem.

A oração por excelência é o Pai Nosso, que Jesus nos ensinou, a qual nós rezamos todos os dias e que nos pede a santificar o nome de Deus e fazer a sua vontade assim na terra como no céu. Nós também nos comprometemos a partilhar, a perdoar e a evitar todo tipo de mal. E pensar que tantos rezam esta oração, e vivem semeando discórdia, ódio e rancor! Só pode rezar de verdade esta oração, quem for capaz de perdoar, do contrário, é uma grande mentira. Evitar todo o mal, porque o mal é do demônio e não de Deus. Quem vive destruindo os outros, semeando discórdia, na verdade, está longe de Deus.

Orar sem cessar é, no fundo, abrir o coração para que Deus possa agir e quando Ele age, nós, como filhos seus, buscamos unicamente o bem e a justiça. Continuemos acreditando, pedindo, intercedendo, orando, na certeza de que o amor vencerá o ódio, a paz superará a violência, a luz brilhará no meio das trevas e o bem prevalecerá sobre o mal.

Publicado na edição 1185 – 17/10/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*