Home / Colunas / Isidorio Duppa / Panela de Ouro

Panela de Ouro


Désde quando iéu sendo piá de bosta iéu iscuitando conversa dos antigo que izistindo em qualquer lugar do Capon Fechado uma panela de oro enterada com as joia da rainha da Polonha, iésto proque acontecendo grande assalto no castelo de Kracóvia bem no dia que imigrantes estavón embarcando no navio Victória que trazendo uma leva de polaco pro Brasil. Assaltante fugindo dos guarda acabando entrando como clandestino no navio e vindo se isconder no Capon Fechado, mais que sendo picado por uma cobra jararaca enquanto abria as estrada na picareta, antes de morér enterando panela com as jóia da coroa e inté hoje ninguém encontrando nem fumaça da panela, mais que valendo mais que primero prêmio da megasena. Conton que alma do falicido protegendo panela e que se alguém encontrando virando maluco da cabeça e se matando. Iéu acabando se alembrando desta história quando estando passando carpidéra no meio do milharal e carpidéra acertando alguma coisa enterada que fazendo baruio de metal. Na hora me dando friu na bariga, vai que sendo panela enterada que iéu encontrando e ficando rico que nem Rei da Polonha, iéu zoiô prum lado, zoiô pra outro e non vendo nenhuma alma e pensando, com todo iéste tempo alma já encontrando caminho na eternidade e panela estando intera pra iéu. Iéu enton foi buscar uma pá pra começar a cavar buraco e na ida pra casa, pensando no caminho que indo fazer se ficando rico, imaginando iéu com casa grande na cidade, com um televisor colorido em cada quarto, dois altomóvel importado na garage, vestindo ropa de rico com jacaré de boca aberta pregado, coméndo numa mesona grande com tudas aquelas taça de cristal e quinze garfo de um lado, quinze faca do outro, com tudas aquelas muiér vistida de avental preto sendo comandada por um destes mordomo, deitadon na bera da piscina tomando refresco com limon depindurado na bera do copo e nadando na piscina umas tréis mocinha de vinte pocos ano tudo dando risada pra iéu. Despois iéu saiéndo na cidade com nariz impinado, escoltado com dois segurança com radinho de pilha nos zovido e povo zoiando pra iéu e comentando que lá indo o polaco mais rico do Brasil. Foi no paiol buscar a pá e voltando pra roça de mio ficando ansim imaginando, Desgracéra de furtuna que iéu tendo que gastar se sendo rico, pagando Iptu, Ipva, Imposto das renda, seguro dos altomóvel, gastando dinherón só procausa dum jacaré na camisa, pagando salário das empregada com iestas nova lei de hoje que custando zóio da cara de imposto, ainda um mordomo non devendo sair por menos de mil real por méis, aquelas parafernalha de prato de porcelana, garfo de prata, taça de cristal, só pra encher pança, tendo que ser vigiado por segurança quando anda na rua, só a parte mais interessante sendo das três moça na piscina, que devendo só estar interessada no meu dinhero ou enton cobrano duzenton cada uma. Iéu enton pensando, se valendo a pena ficar rico ou continuando feliz pobrezinho? Despois como indo explicar pro governo? Quando se achegando na roça de mio iéu já tinha desistido de ficar milhonário, pediu licensa pra sujeito que estando segurando carpidera, deu boa tarde pra iéle e continuô trabaio.

Publicado na edição 1199 – 13/02/2020

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*