Quando iéu caminhando pra assitir missa de domingo, começô sentir umas friage nas sola dos sapato, as pedra da eistrada cutucando os pé inté parecéndo que descalço estando, fói dar olhada e que diabo, sola de coro parecéndo papel de ton fininha, mais como pode? só cinco ano fazendo que mandando sapatéro trocar solado e ponhar um salto amazonas, cómo as cóisa de hóje em dia num preston pra nada. Fói ansim caminhando nas ponta dos pé pra sola pelo ménos durar até em casa chegar, na segunda-féra iéu mésmo pra vila indo já aproveitando de dechar sapaton pra recauchutar. Durante missa polaquinha do méu lado começando a passar mal, ficando branca quase desmaiando, na hora da comunhon padre derubô hóstia, as cantoria tavon tudo fanhosa porqué os cantor taparon os nariz, enton fói vér qui sola do sapato féis buraco e póco do chéro saiéndo e contaminando igréja. Com vergonha desgraçada e pra ninguém pensar que sendo iéu que espaiando chulé estando, pidiu disculpa com toda educaçón pra padre e foi falando que indo sair mais cédo da missa porquê caganéra dando. Voltô pra casa coréndo nas pontinha dos pé, quando na frénte do armazém passando, povo saiéu na porta e falaron desaforo “Olha o Isidório dançando balét.” Na segunda-fera iéu enfiô sapaton no saco de farinha e fói no sapatéro, quando mostrando estrago no calçado, sapatéro de cabelinho branco ficô tremendo e narigon fechando, falô pra iéu que iéstes sapaton de antigamente só dá pra consertar umas duas véis e só iéste já tava no quinto conserto e despóis non tinha mais forma que se adapitasse. Desgracéra Mésmo!! negócio enton é comprar sapato novo pra ir nas missa. Pela rua passando viu loja de calçado toda iluminada com mais de quinhénto tipo de sapato, iéu pensô, pra que tanto tipo de sapato se nóis só téi dois pé? Tava zoiando na vitrine no méio daquela sapatada quando mocinha preguntô se iéu já tinha escoído modelo, iéu falo qui já, que um vulcabráis queréndo, moça preguntô que numbro iéu falô 752 mésmo. Moça entrô nos estóque da loja, uns déis minuto demorando e contô que iéste sapato num se fabrica a mais de 40 ano mais se ótro sirvindo, iéu enton segunda opiçon pidindo, um passo-doble. Mocinha entrô nos estoque e troche um monton de caxa, falô que passo-doble non tendo mais tróche uns paricido, preguntô se esprimentar queréndo, iéu tirô botina i começo ponhando os sapato novo, um mais apertado qui o ótro e sobrando nas ponta, ótro néi de lado pé entrando, ótro só dedon entrando, ótro só calcanhar e pezon pra fora, quando alevatando cabéça pra falar pra moça que sapato non certo entrando, cadê a moça?, bem cadê tudo mundo? Iéu sozinho estando, começô falar alto “ô de casa!!”, ninguém respondendo, que diabo!! Tudo mundo sumiu. Nisso iéi escuitando siréne do bombéro, entra os home de verméio com manguéra na mon e falaron pra iéu sair da loja rapidinho, iéu ponhô butina e coréu pra fóra onde tavon todo povo da loja falando que loja tava com vazamento de gás. Quando iéu zoiô pras butina, inda póco de fumacinha do chulé saiéndo, déu uma vergonha desgraçada, pra disfarçar iéu falô pra moça da loja com toda educaçón que despóis voltava porquê agora está dando caganera. Sapato véio iéu carca uns pedaço de jornal pra servir de palmilha e ainda vai umas déis missa.

 

 

 

Publicado na edição 1116 – 07/06/2018