Home / Notícias / Política / Saúde segue sendo a principal queixa dos moradores de Araucária

Saúde segue sendo a principal queixa dos moradores de Araucária

Quase 37% dos moradores de Araucária entendem que o maior problema existente na cidade atualmente é a saúde. O número foi encontrado numa pesquisa realizada a pedido de O Popular pelo instituto Data Sonda. O levantamento foi feito entre os dias 31 de julho e 3 de agosto.
Ao todo, foram feitas 800 entrevistas, respeitando-se a base censitária do Município no que diz respeito ao perfil de sexo, faixa etária, escolaridade e renda da população araucariense. A margem de erro do levantamento é de 2,9%, sendo que o intervalo de confiança é de 90%.

A saúde foi identificada como o principal problema da comunidade local num pergunta aberta feita pelos entrevistadores do Data Sonda, que pediu para que as pessoas dissessem qual o ponto mais negativo da gestão do prefeito Hissam Hussein Dehaini (PPS). Traduzindo os percentuais, é como se de cada cem moradores de Araucária, 37 considerassem que a saúde é o calcanhar de Aquiles da Prefeitura atualmente.

Além da saúde, os moradores também identificaram como problemas da cidade o corte e poda de árvores (5,9%), segurança pública (4,8%) e educação (4,5%). Na tabela ao lado você confere os demais pontos negativos apontados pela pesquisa.

Pontos positivos

A pesquisa ainda provocou os ouvidos a dizerem quais seriam os pontos positivos da administração. A área que ocupa a dianteira é a pavimentação, com 19%. Em seguida aparecem as melhorias no transporte coletivo (9,3%) e a saúde pública (7,8%). No quadro ao lado você também confere os outros apontamentos feitos pela comunidade local.

PAI no HMA

Motivo de bastante discussão ao longo dos últimos meses, a transferência do pronto atendimento infantil (PAI) do prédio do antigo São Vicente de Paulo para uma ala anexa ao Hospital Municipal de Araucária (HMA) também foi objeto de análise pela pesquisa de O Popular.

Foram duas as questões acerca dessa mudança. Como nem todo mundo utiliza o 24 horas infantil, a primeira pergunta foi para saber se as pessoas ficaram sabendo da transferência para a ala do HMA. O resultado mostra que 32,1% tomaram conhecimento da transferência e 67,6%, não.

A segunda questão foi feita apenas para quem soube da transferência. Estas pessoas foram questionadas se o novo espaço é melhor ou pior do que o anterior. A imensa maioria das pessoas (73,5%) disse considerar que é melhor. 17,9% que é pior e 8,6% não quiseram ou não souberam responder.

Até o final da gestão

A relevância da saúde pública também pode ser medida em outra pergunta. Nela, foi questionada em qual área a administração municipal deveria direcionar seus esforços nestes dois anos e meio que ainda faltam para o término do mandato do prefeito Hissam. A esmagadora maioria da população (61,4%) disse ser saúde pública. Em segundo lugar aparece segurança, com 14,3%. Em terceiro, educação, com 8,4% e, em quarto, lazer e cultura, com 5,5%.

 

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1126 – 16/08/18

 

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*