Não de hoje as discussões sobre como a escola deve abordar a educação sexual dentro das salas de aula desperta as mais diversas reações na família dos alunos.

Nos últimos dias, novamente, alguns pais procuraram nossa redação para manifestar descontentamento como a temática foi abordada numa turma do quinto ano da Escola Municipal Archelau de Almeida Torres.
Justamente por se tratar de um tema polêmico, O Popular redobra seus cuidados na apuração de pautas como essa, tendo como premissa jamais sensacionalizar o assunto.

Embora jamais vá sensacionalizar a pauta, O Popular acredita ser sempre necessário trazer o assunto à discussão, ainda mais em tempos que – infelizmente – abordagens do tipo acabam não sendo tratadas da maneira adequada por autoridades de expressão nacional.

Na pauta em questão, O Popular ouviu com todo o cuidado as pessoas que reclamaram da abordagem feita dentro do ambiente escolar, de modo a entender que ela se tratava realmente de uma preocupação dessas famílias ao que seus filhos estão vendo em sala de aula ou se estávamos diante de algum tipo de preconceito dessas pessoas com o fato de a instituição de ensino estar mostrando aos alunos que é preciso respeitar todas as opções sexuais possíveis, com exceção, claro, daquelas tipificadas como crimes.

Feita esta análise vimos uma preocupação genuína dessas famílias. Preocupação típica de pais que acompanham o dia a dia escolar de seus filhos e por esta razão publicamos nesta edição a matéria. Esperamos que ela possa contribuir verdadeiramente para o aprimoramento dessa questão.

Boa leitura!

Publicado na edição 1185 – 17/10/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.