Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Será o fim do mundo?

Será o fim do mundo?

Quando acontecem situações catastróficas na sociedade, tais como, guerras, fome, pestes, alagamentos, desastres ecológicos, desemprego, enfim, muitas pessoas se aproveitam destas desgraças para anunciar o fim do mundo. Lembro-me muito bem de um destes fanáticos e doidos; dizia que o mundo iria terminar em maio de 1980. No dia seguinte, quando o mundo continuava do mesmo jeito, lhe interrogaram por que a sua previsão não se concretizou, e, ele respondeu: ‘erro de cálculo’. A grande verdade é que ao longo da história sempre aconteceram episódios anormais e este planeta manteve-se de pé.


No tempo imediatamente posterior a Jesus, diante das imensas perseguições aos cristãos; da destruição do Templo; da situação quase que insuportável, surgiram alguns dizendo que o mundo iria acabar. Inclusive, deixavam de trabalhar e até de comer, pois o final estava próximo, e, tudo isto era perda de tempo. Paulo se insurge contra estes, pedindo que permaneçam agindo, assim como ele, que em nenhum momento deixou de trabalhar e buscar o seu próprio sustento. O próprio Jesus vai dizer que quanto ao final dos tempos, ninguém sabe, nem ele, mas somente Deus. Àqueles que pregam o fim, Jesus se manifesta claramente pedindo para que não os sigam, e, nem deem ouvidos a eles.

Ao longo da história acompanhamos tantas realidades desastrosas e, até certo ponto, irreversíveis. Talvez as mais absurdas de todas, foram as guerras, que, realmente, só destruíram, acabando com cidades e matando tantos seres inocentes. Muitos, diante desta realidade, pregaram o fim do mundo, mas, a sociedade sobreviveu e continuamos vivos, apesar das diversas dificuldades e adversidades vividas neste tempo atual. E isto nos faz entender que, em cada época existem problemas, catástrofes, mas, não será o fim.

Diante deste quadro, mais do que nos rendermos ao destino, a darmos ouvidos a tantos pregadores que se aproveitam desta situação, para seu benefício próprio, devemos acreditar e tocar a vida em frente. É realmente uma preocupação inútil, desnecessária e que nos faz sofrer a toa, sem sentido. Somos desafiados, mais do que a resignação, a sermos um sinal de esperança e a buscarmos soluções para ajudar este mundo a ser melhor. A não nos rendermos à desgraça, e, sim, a buscarmos meios para semearmos o amor e, através de nossos gestos e ações, a certeza de um movo amanhecer.

O livro do Apocalipse, tantas vezes entendido de modo errôneo, como o livro que fala do final dos tempos, é, na verdade um texto de esperança. As situações adversas, aparentemente sem solução, serão superadas e vencidas. E mais, aquele que não desistir diante das perseguições, das dificuldades e adversidades da vida, terá como prêmio a vida eterna. É preciso então, prosseguir na luta, sem desistir dos seus sonhos e dos seus projetos. Quem faz o bem e não se deixa ser dominado pelo mal, um dia será recompensado.

O fim do mundo, na verdade, é o fim de cada um, quando não fará mais parte desta realidade terrena, e, literalmente, estará em outro mundo. Não nos preocupemos e nem nos deixemos abater pelas situações conflituosas, trágicas e até desesperadoras do momento atual. Tudo vai passar e cada um de nós vai passar, e, o mundo vai continuar em pé. O dia e a hora do fim do mundo ninguém sabe, somente o Pai. Não nos deixemos guiar por aqueles que pregam o fim do mundo, mas, continuemos a crer e a construir um mundo melhor.

Publicado na edição 1189 – 14/11/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*