A lei que obriga empresas aqui instaladas a contratar 70% de pessoas moradoras de Araucária (veja reportagem na página 4), pode até ajudar em um primeiro momento, mas também pode ser totalmente questionável em termos constitucionais, ainda é prova de imensa incapacidade local.

Nossa Constituição Federal garante a qualquer cidadão brasileiro o direito de trabalhar em qualquer unidade da federação, mesmo que este local não seja o da sua residência oficial. Prova disso é a quantidade de servidores concursados que trabalham na Prefeitura de Araucária e moram em Curitiba ou outras cidades.

A lei, embora não diga, tem um foco maior nas empreiteiras que prestam serviços na Refinaria Presidente Getúlio Vargas, que trazem a maioria de seu pessoal de fora, não dando oportunidade ao pessoal local. Essa obrigação legal expõe o município a uma situação vexatória de forçar uma situação onde a lei de oferta e procura do mercado de trabalho deveria dar conta de forma natural. Vamos pegar o exemplo de uma empresa que seja sediada em Recife, Pernambuco, e seus funcionários efetivos moram lá, para prestar um serviço aqui em Araucária, dois mil e quinhentos quilômetros de distância, o mais econômico seria trazer apenas os supervisores de lá e contratar o restante dos profissionais por aqui. Sem custo de deslocamento, adicional de transferência e acomodações. Mas para isso seria necessário ter essa mão de obra aqui, disponível e com a qualificação necessária para o serviço em refinarias.

Uma coisa fica clara em meio a isso. Não existe uma política pública, contínua e consistente que sobreviva a mudanças de gestões, para qualificação de mão de obra com um foco claro para atender às necessidades das empresas aqui instaladas. E parece também não existir tampouco, e em volume suficiente, pessoas com disposição de entrar em cursos e se preparar mesmo quando não existe a vaga, de olho em uma futura oportunidade.

O fato é que todos precisam ter claro qual é o problema e trabalhar juntos em uma solução que seja boa o suficiente para não precisar forçar uma reserva de marcado. Pense nisso e boa leitura.