Home / Colunas / Editorial / Sororidade

Sororidade

A palavra acima se tornou uma das mais pesquisas no Google há algumas semanas. Isto desde que a atriz Manu Gavassi a proferiu num dos episódios do Big Brother Brasil ao justificar quem enviaria para o paredão da casa.

Buscando no próprio Google temos que sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

Esta semana, mesmo sem saber, a declaração de um cidadão que acompanhava a sessão plenária da Câmara fez com que a sororidade fosse encampada por mulheres e homens araucarienses.

A pessoa em questão, num ato impossível de não se classificar como machista, questionou a vestimenta com a qual a vereadora Tatiana Nogueira foi à sessão plenária, considerando-as inapropriadas para o ato.

A vestimenta em questão era uma calça jeans, com rasgos propositadamente feitos pela marca da roupa, de modo a dar a peça certo estilo. Ou seja, trata-se de algo que qualquer mulher e/ou homem poderia estar vestindo. Não era uma peça inadequada e, por esta razão, o comentário do senhor, já idoso, não foi prudente. Ainda mais em tempos que precisamos reafirmar a importância da mulher em todos os espaços de nossa sociedade.

Casos como o que envolveu a vereadora Tatiana, embora para alguns possa parecer mimimi, precisam gerar nossa indignação sempre que acontecerem. Precisam ser condenados sempre, não importando quem o tenha dito. Isto porque a sociedade brasileira, e a mundial, têm uma dívida histórica com as mulheres. Dívida esta que é de todos nós, mesmo se você, homem, não compactue com falas como a do idoso que não gosta de roupas rasgadas. Pensemos nisso e boa leitura.

Publicado na edição 1200 – 20/02/2020

Sobre Redação

Redação

2 comments

  1. Avatar

    Engraçado. Você já imaginou um homem aparecendo com calças jeans rasgadas como vereador? Nenhum fará isto simplesmente por causa da seriedade do ambiente. É BOM SENSO. Agora, esta senhora, como vereadora, deveria se vestir mais adequadamente. ISTO NÃO É QUESTÃO DE MACHISMO e sim de bom senso e adequação ao ambiente em que se está.

    Você vai trabalhar de shortinho ou de camisola aí na redação? Acho que não. Homens podem vir de bermuda e sandália em escritórios normais? NÃO. Sou machista por falar isto? Não, mas ultimamente a mídia tem manipulado tudo para demonstrar isto. Quase um terrorismo.

    Imagine um advogado ou um juiz se vestindo de qualquer forma. Não faz sentido. Hoje em dia qualquer opinião que se dá a respeito disso é machismo. A sociedade está distorcendo as coisas e desviando várias coisas como se fossem ofensas machistas. Não é porque o pais é livre que se deve andar de qualquer forma. Bom senso faz bem à todos. E parem com essa mania de que tudo é machismo agora, para defender os seus erros!

  2. Avatar

    Ela é uma vereadora e se fosse um vereador mereceria a mesma reprimenda. Casas legislativas, assim como os fóruns, tem regras básicas de vestimenta. Se ela ou qq vereador quiser se sentir “estiloso (a)” com calças rasgadas, que vá fazer fora do horário de trabalho. Fora essa história de dívida histórica…todo mundo tem dívida histórica agora…. Vamos pensar para frente, não para o passado… pena que essa mentalidade de opressor e oprimido, eles e nós está encravada na mente de muitos.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*