Início / Colunas / Padre André Marmilicz / Subir a montanha e rezar

Subir a montanha e rezar


A imagem da montanha na Bíblia sempre se refere a um momento especial na vida do ser humano: deixar de lado seus afazeres, suas preocupações e encontrar-se com Deus para rezar. A montanha nem sempre se refere a um lugar alto, mas sim, a uma situação de encontro com o transcendente, de oração, de silêncio, de afastamento das coisas deste mundo para estar com Deus. É um momento de renovação, de transformação, fundamental para encontrar forças e energias em seguir com coragem na labuta do dia a dia. Jesus sobe a montanha para rezar, seu rosto se transfigura e suas roupas ficam brilhantes, como nenhuma lavadeira neste mundo seria capaz de deixar.

Jesus seguidamente se afastava para ir até o meio do deserto e estar com o Pai. ‘Subia a montanha’ para encontrar-se com Deus e ali, no silêncio, contemplar, falar com Ele, deixar sua voz falar. Estes momentos sempre foram decisivos na vida de Jesus, sobretudo, antes de grandes decisões na sua vida, ele se retirava para rezar. Diante de um dia a dia cheio de problemas, de pessoas que vinham ao seu encontro, de atendimentos e curas, Jesus sentia a necessidade de se distanciar da multidão para estar com Deus. Geralmente ele o fazia logo pela manhã, ou no final da tarde, pois, no restante do tempo, ele estava a serviço das pessoas, especialmente daquelas mais pobres, excluídas, abandonadas, necessitadas do seu amor.

Assim como Jesus, a nossa vida é marcada por tanta correria, problemas, situações inesperadas, trabalhos, preocupações com o sustento da família, relações difíceis e complicadas. Poderíamos aumentar esta lista de atividades que fazem parte do nosso cotidiano. Se permanecermos envolvidos nesta realidade por vezes tão complicada, com certeza, seremos presas fáceis do desânimo, do pessimismo e até da depressão. Poderemos perder o rumo, a direção, a bússola que aponta o caminho certo a seguir. E o barco da nossa existência poderá estar nos conduzindo a um caminho tantas vezes sem volta, a um precipício que nos conduzirá para um triste e desolado fim.

Diante desta situação que envolve a vida de cada um de nós, faz-se fundamental subir a montanha, e ali, no silêncio, deixar a voz de Deus falar. É ela que nos preenche e dá sentido à nossa existência. O cristão católico, todo domingo deixa o chão da sua vida diária, e vai até a Igreja, ou seja, sobe a montanha para encontrar-se com seu ser superior. Este momento é fundamental e essencial para encontrar motivação, sentido e razão para a sua continuidade nesta terra. No encontro com a Palavra de Deus, ele revê suas atitudes, seus projetos e redireciona a sua história. Além disso, na eucaristia ele se encontra com o Senhor da vida, e renova o compromisso de ser neste mundo, construtor do Reino de Deus. Este encontro com Deus dá um novo sentido e significado para a sua labuta diária.

O mundo de modo geral, as pessoas que o habitam estão carentes de um sentido transcendental. A obsessão pelas coisas deste mundo esvazia o coração do ser humano, pois, somente o encontro com Deus dá significado e uma razão mais profunda para a sua vida. Dizia Santo Agostinho: ‘fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em ti’. Oxalá o nosso coração anseie por Deus, porque só Nele poderemos encontrar a felicidade e a verdadeira razão para a nossa existência. Subir a montanha, estar com Deus, renova o nosso coração é essencial para vivermos de modo alegre e pleno. Encontre, no seu cotidiano momentos para subir a montanha e encher-se do amor de Deus.

Publicado na edição 1154 – 14/03/2019

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*