Início / Colunas / Editorial / Tempo e dinheiro perdido

Tempo e dinheiro perdido


Durante muitos anos, a população local reivindicou que o poder público promovesse mutirões de castração de cães e gatos, os animais de estimação presente na imensa maioria das casas arau­carienses.

Recentemente, ainda de maneira tímida, esse pedido começou a se tornar realidade. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) contratou 3.200 procedimentos de este­rilização por meio de uma licitação. A modalidade de efetivação desse serviço se mostrou acertada: por meio de mutirões realizados nos bairros e voltados exclusivamente a população de baixa renda.

O primeiro desses mutirões aconteceu no Capela Velha. O segundo acontecerá nos próximos dias no bairro Boqueirão. Os números da primeira etapa do trabalho, porém, mostram que muitas pessoas seguem irresponsáveis na utilização dos recursos públicos que são postos à sua disposição.

Isto porque, do total de cirurgias programadas, 89 não foram feitas simplesmente porque as famílias selecionadas não levaram seus animaizinhos no dia e hora previamente agendados. Um índice de absenteísmo equivalente a 28%.

O dado se mostra ainda mais absurdo porque, ao contrário do absenteísmo existente em procedimentos médicos humanos, no caso das castrações, o hiato entre a família se cadastrar no site da Prefeitura para conseguir a cirurgia e a efetiva realização desta foi muito curto. Ou seja, sequer a desculpa de “demorou tanto que esqueci o dia” pode ser arguida. Outro ponto, também inversamente as consultas e exames humanos, não houve a necessidade de se deslocar de casa até o Centro da cidade ou Curitiba para ter acesso ao serviço. O castramóvel foi ao bairro do morador. Praticamente na porta de casa da pessoa e de seu pet! Mas, mesmo assim, os que deram o cano foram muitos.

Fica a torcida para que tamanho índice de faltas não se repita no mutirão dos próximos dias e os que virão depois. Afinal, cada cirurgia não realizada, é tempo e dinheiro de todos desperdiçado. Boa leitura!

Publicado na edição 1138 – 08/11/18

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*