Em tempos que se fala tanto em corrupção, ainda me impressiono como as pessoas de uma maneira geral seguem praticando suas traquinagens por aí e, numa tremenda cara de pau, querendo convencer que corruptos são os outros.

Dia desses conversava com um vereador de nossa municipalidade e ele me contava como – diariamente – vinha sendo achacado por marias, joãos, pedros…enfim, pessoas comuns que procuravam seu gabinete em busca de uma vantagem que, digamos assim, o transformava em mais um corrupto.

Se eu não fosse um frequentador assíduo da Câmara até diria que aquele edil poderia estar querendo me enrolar na tentativa de justificar seu modo de fazer política. Infelizmente, no entanto, ele não mentia. A corrupção, o achaque é prática comum nos corredores daquele prédio instalado em frente à Praça da Bíblia. E, o pior, os criminosos aí são pessoas comuns e não necessariamente as excelências que ocupam aquele Poder.

Não seria exagero se disséssemos que mais de noventa por cento do morador de Araucária que procura um dos onze gabinetes dos vereadores está atrás de uma vantagem ilícita. Seja ele o pagamento de uma conta de luz, uma vaga na creche para o seu filho, a indicação para um emprego, um ônibus para levar alunos não sei para onde, mil reais para ajudar no custeio das despesas de um grupo da igreja, um jogo de camisa para o time do bairro, duzentão para a viagem da candidata a rainha não sei do quê e assim por diante.

Alguns podem até dizer que essas mordidas são apenas pedidas simples de cidadãos honestos, mas – na verdade – são achaques, é claro que nem todos feitos de maneira intencional, mas nem por isso eles deixam de ser atos de corrupção porque invariavelmente a grana que paga isso é oriunda dos cofres públicos, lavada, tornada lícita por meio de salários de assessores. E, quando a investida não envolve dinheiro, para ser efetivada, ela precisa que o agente público burle filas. Ou seja, de novo, estamos diante de ilicitudes, pois aquele cidadão honesto que não procurou uma autoridade para ver, por exemplo, seu currículo sendo jogado na frente dos demais, terá que aguardar o andamento correto da fila.

Obviamente, esse texto não tem como objetivo isentar o político de sua responsabilidade e muito menos tentar torná-lo vítima da corrupção. Apenas quero convidar à reflexão aqueles que procuram gabinetes para pedir um favorzinho, oferecendo em troca apoio nas próximas eleições, pois – admitindo ou não – vocês são sim corruptos e fomentadores desse câncer que impede que nos desenvolvamos na velocidade que poderíamos.
Boa semana a todos e até uma próxima. Comentários são bem vindos em www.opopularpr.com.br!