Home / Colunas / Isidorio Duppa / Trambiques do compadre

Trambiques do compadre


Compadre Ignácio se achegando nos fim de tarde e vindo de conversa mole, dizendo que as coisa andon preta pro lado dele, que non sobrando dinhéro nem pras compra do méis e que percizando do aumetar os recurso. Que as coisa non andando bem pra ninguém iéu sabendo, dinhero curto pra tudo mundo, foi dizendo pra compadre non gastar dinhero com bestera, mandando comadre Milka fazer pirogue pra fora e ponhar os fio mais véio pra ajudar nos sirviço. Compadre enton dizendo que coisa piorando despois que firma cortando as hora extra. Iéu nem sabendo que compadre Ignácio ganhava hora extra, pra iéu que os varedor de rua só trabaiasse de dia, enton compadre me explicando que sendo verdade mesmo, só trabaiam de dia, mais iéle sempre enrolando umas duas hora pra sair do sirviço pra ganhar hora extra e agora ponharon carton ponto de ponhar dedo e perdendo boquinha. Desgraçado Mésmo!!! Compadre non tendo jeito mesmo, sempre se aproveitando, lazarento ganhando sem trabaiar, iéle sempre sendo deste jeiton, se aproveitando de tudo, nos casamento sempre iéle que cortando gravata do noivo pra embolsar uns graúdo e além de repitir os prato umas cinco véis ainda ponhava churasco na sacola pra levar pra casa, pegava garafa de pinga e escondia no mato pra fazer estoque. Uma véis me contô que levava barata de casa e ponhava no prato do restaurante só pra ganhar almoço de graça. Anda com uma cartera de identidade falsa com uns deis ano mais veio pra ter vantage pra estacionar brasilha nas vaga de idoso e ganhar desconto nas farmácia. Sempre querendo saber da vida dos outro e cobrando propina pra non espalhar fofoca. Devendo pra tudo mundo e negando conta dizendo que non tendo ducumento que comprovando dívida. Sempre entrando no ômbinus pela porta de tráis pra non pagar passage, dia de chuva sempre trazendo uns quinze guarda-chuva pra casa proque pegando na porta dos banco, tanto dos trambique que compadre fazendo que iéu non tendo pena dele e já foi dizendo que sendo bem feito que empresa fazendo, proque indo pagar a mais pra quem non merecendo. Enton compadre quase chorando foi tirando relógio de bolso do bolso e preguntô se iéu non querendo comprar o único bem que pai dele dexô despois de morto, só pra comprar poco de cumida pras criança. Relojón bunito, tudo banhado a oro, acho que valendo furtuna, zóio se aregalando e preguntô quanto valendo, compadre dizendo que non sabendo, que iéu fizesse oferta, iéu oferecendo duzentos Real e compadre me entregando Relógio. Ponhô no Bolso e foi no armazém do Iskapinski, nem bem chegando Iskapinski preguntando onde que iéu encontrando relógio que iéle perdendo. Desgracéra Mésmo!!! Iéu mata o compadre um dia.

Publicado na edição 1192 – 05/11/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*