Início / Colunas / Editorial / Velha conhecida e perigosa

Velha conhecida e perigosa


Velha conhecida da população, até então apenas por meio das campanhas de prevenção, a dengue virou uma realidade em Araucária. No Brasil, existem relatos de casos desde a época do Império. Na história mais recente, os principais focos no país, que chamaram a atenção foram em alguns estados do nordeste e, principalmente no Rio de Janeiro. No ano de 1998 foram contabilizados mais setecentos mil casos com algumas centenas de mortes ocasionadas pela doença. Embora o avanço da ocorrência de casos confirmados ano após ano variasse na medida em que o governo fazia investimentos na área, o que se percebe é que, de um modo geral, o trabalho tem sido ineficaz.

Prova disso é o número de cidades que, como Araucária, nunca tiveram pessoas infectadas e que agora precisam lidar com o problema. Até poucos dias, o que se via eram apenas pacientes com sintomas similares ao da doença, mas nada confirmado. Depois houve confirmação de uma pessoa contaminada, mas o contágio havia ocorrido fora no município.

Nesta semana, porém, veio a confirmação de que uma pessoa, morador de um bairro central e bem estruturado, está com a doença e que se contaminou por aqui mesmo (veja reportagem na página 8 desta edição). É de se preocupar, pois a impressão que se tem é que a população não dá muita bola para os vasinhos com água parada no quintal. Mas esta atitude tem que mudar, e rápido. Mais rápido do que é o período do ciclo de reprodução do mosquito que transmite o vírus.

Para isso, os responsáveis pela saúde pública devem reforçar as ações em campanhas de conscientização, tanto para a população adulta quanto nas escolas, de olho nas crianças. Isso ao mesmo tempo em que se precisa intensificar a presença do setor de combate a endemias do Município na comunidade, reforçando o trabalho casa a casa para identificar, orientar e eliminar possíveis focos do mosquito transmissor da doença. Fiquemos todos atentos e boa leitura!

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*