Home / Colunas / Padre André Marmilicz / Vida plena após a morte

Vida plena após a morte



A morte é um grande mistério. Muitas pessoas nem ousam falar sobre ela, como se fosse uma grande desgraça. Causa medo, desconforto e um mal estar enorme. De certo modo, não deixa de ser algo normal, pois, todos nós temos receio de coisas novas, diferentes, e, não gostamos de perder a certeza das coisas. Somos movidos por hábitos que nos dão certo conforto e segurança, e, a morte, nos tira desta tranquilidade e nos coloca diante de algo totalmente desconhecido.

Para muitos, a morte é o final de tudo, e, por isso, é preciso aproveitar plenamente esta vida, ou seja, desfrutar das coisas materiais, do prazer corpóreo, enfim, não ter limites para a satisfação total. Estas pessoas estão totalmente voltadas para si mesmas, de modo egoísta, sem nenhuma preocupação com o próximo. A indiferença se torna clara e forte, diante das dores e necessidades do próximo.

Para nós, cristãos, que acreditamos em Jesus Cristo e na sua ressurreição, a morte é o começo de uma nova vida. Em diversas ocasiões Jesus se manifestou a respeito da outra vida, como plenamente existente. E mais, ele disse que quem acredita nele não morrerá jamais, mas, viverá eternamente. Isto nos reconforta, mas, ao mesmo tempo nos compromete a um estilo de vida de acordo com o seu evangelho. Quem quiser ser salvo, diz Jesus, deverá renunciar a si mesmo e tomar a sua cruz a cada dia. Aquele que quiser salvar a sua vida sem ele vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa dele, vai ganhá-la.

O que salva o ser humano, é, no fundo, fazer tudo com amor, pensando única e exclusivamente no bem do irmão. Este amor que faz a pessoa sair de si mesma e ir ao encontro do outro, numa atitude de solidariedade, perdão, partilha, doação, onde tudo é feito na gratuidade, sem esperar troca ou recompensa. Foi isso que Jesus fez durante sua vida, nos amou até as ultimas consequências, dando a vida na cruz para nos salvar. O amor é a fonte da vida, é o caminho que nos conduz a Deus e nos prepara para a vida eterna. O amor é expressão máxima de um coração agradecido, que reconhece que tudo é dom de Deus. E, por isso, a sua vida, mesmo que cercada por problemas e dificuldades, é uma festa de louvor e gratidão. Quem ama vive numa festa contínua, na certeza, de que a outra viva será uma festa eterna, porque cercada por Deus e seus anjos.

Para quem acredita a morte física não é o fim de tudo, pelo contrário, é o início de uma vida plena e total. Por isso, já nesta vida, procura viver sempre com um olhar de ressuscitado, não se deixando abater pelas decepções, dificuldades e sofrimentos. Quem vive reclamando, murmurando, se queixando de tudo é porque ainda não descobriu o amor de Deus em sua vida. E mais, facilmente sucumbe e se deixa levar, tantas vezes vendo esta vida como um lugar somente de desgraças e sofrimentos.

Deixemos que o Espirito do Cristo ressuscitado tome conta do nosso ser, e nos ensine a viver de modo intenso esta vida, para um dia viver plenamente na glória eterna. E, isto significa gastar todas as nossas energias, colocando-as a serviço do próximo, fazendo o bem, ajudando a quem precisa, tendo um coração cheio de bondade e compaixão. A vida, quando partilhada com os irmãos, é cheia de amor e é a verdadeira festa dos filhos de Deus. Uma festa que não acabará nunca, pois, na outra vida, veremos e contemplaremos Deus tal como Ele é.

Publicado na edição 1188 – 07/11/2019

Sobre Redação

Redação

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios *

*